quinta-feira, maio 10, 2007

Geração "X"













-Nós não estivemos na Guerra Colonial, nem na crise Coimbrã. Não votámos nas primeiras eleições pós 25 de Abril de 74 nem andámos de punho erguido pelas ruas a gritar ideais cegos. Aliás, inicialmente nem sequer entendemos bem o que se passava em Portugal mas havia muitos outros que também não entendiam e ainda há quem não tenha compreendido
-Para muitos, a primeira memória histórica são os jogos olímpicos de Munique em 1972, para outros a chegada à Lua.
-Apesar de termos nascido num regime totalitarista, sempre tivemos consciência democrática que foi sendo limada nos erros que fomos cometendo e sofrendo. Sabemos de politica muito mais do que os nossos pais e muitíssimo mais do que saberão os nossos filhos.
-Somos a última geração que jogou ao pião, à “caríca ou sámeira”, que brincou com os amigos na rua e fomos os primeiros a jogar videojogos e a ver desenhos animados a cores.

-O menino Jesus nem sempre nos trazia aquilo que lhe pedíamos mas temos com grande carinho muitas das coisas que ele nos trouxe, ao passo que hoje, o Pai Natal traz muita coisa e quase nenhuma chega ao Natal seguinte.
-Gostámos de séries como “O Polvo”, emudecíamos com a Heidi e trocámos cromos do Sandokan, mas ainda conhecemos as “Victórias” e sabíamos os três “carimbados”.
-Somos a geração que viu Maradona a fazer maravilhas com uma bola, que o viu fazer uma campanha contra as drogas e que gritou a plenos pulmões em frente da televisão por Carlos Lopes até ele chegar à meta.
-Calçámos sapatos com tacões ridículos, e jeans dobrados no fundo, usamos tangas em vez de calções de surfista e nesse tempo o 11 de Novembro era o “Dia de Todos os Santos” e não o Halloween. Fomos sempre as cobaias do “Sistema Educativo”, das reformas e contra-reformas, e ainda sabemos o que era o “Ano Propedêutico”.
-Conhecemos o terrorismo em Portugal, com assaltos e bombas em malas de carros. Vimos cair o “muro de Berlim”, conhecemos as manchas na cabeça de Gorbatchov, muitas anedotas acerca da KGB e vimos Boris Yelsin com os copos a apalpar uma secretária.
-Os da geração anterior gritavam “Nato fora de Portugal”, os da geração seguinte foram para a Bósnia pela Nato.
-Fomos os primeiros a aprender a programar um Vídeo, jogamos com um Spectrum, odiamos Bill Gates, vimos os primeiros telemóveis e sonhamos que a Internet seria um mundo livre enquanto eramos os primeiros a andar de skate.
-Comíamos Sugos, Pintarólas e chiquelétes Pirata, bebíamos “Laranjina C” e recordamos um Algarve muito diferente do de hoje.
-Não sei como conseguimos sobreviver viajando em carros sem cintos de segurança e sem airbags; Não havia protecção nas tomadas eléctricas nem frascos de medicamentos à prova de crianças. Andávamos de bicicleta sem capacete nem cotoveleiras até escurecer, em plena rua e em grupos felizes, inconscientes dos perigos de hoje.
-Fomos nós, quem resolveu o “cubo mágico”, e quem deu memoráveis festas em garagens de amigos aos sábados de tarde.

-Chamaram-nos geração X e ainda bem, pois parece que nem nunca nos entenderam nem perceberam aquilo que éramos e que ainda somos.

5 comentários:

aquelabruxa disse...

Para muitos, a primeira memória histórica são os jogos olímpicos de Munique em 1972, para outros a chegada à Lua.- para mim não, pensei que estavas a falar de portugal em geral, antes do 25 de abril de 74

Somos a última geração que jogou ao pião, à “caríca ou sámeira”, que brincou com os amigos na rua e fomos os primeiros a jogar videojogos e a ver desenhos animados a cores.- olé!

O menino Jesus nem sempre nos trazia aquilo que lhe pedíamos mas temos com grande carinho muitas das coisas que ele nos trouxe, ao passo que hoje, o Pai Natal traz muita coisa e quase nenhuma chega ao Natal seguinte. - ainda choro

o “Ano Propedêutico”. - já não me lembro o que era

e recordamos um Algarve muito diferente do de hoje. - snif

aquelabruxa disse...

e a respeito de oxaca não sei bem o que quiseste dizer, eu violência também não, mas o estado é o mais violento de todos os "povos".
em frança, imagino que andem a pegar fogo aos carros... acho bem, os governos não fazem o seu trabalho, acho que desde que a democracia (moderna) existe que nunca fizeram nada da ideia, que até não é má. um bom governo devia "autodestruir-se", no sentido em que devia preparar e ensinar o povo que o elegeu a ser autónomo e a já não precisar mais de um governo - pago os direitos de autor ao meu namorado, com beijos.

aquelabruxa disse...

p.s. gosto dos teus posts históricos! dão-me uma visão das coisas diferente.

SA disse...

adorei este texto... muitos parabéns :)

Jack . disse...

Parabéns, gostei do que li. Fez-me recordar um pouco o que foram estes anos de vida.