sábado, fevereiro 25, 2006

Optimismo










-Uma pesquisa recente, realizada pela Universidade de Wageningn na Holanda demonstrou que o optimismo pode ser um factor importante no prolongamento do tempo de vida humano e na preservação da saúde física e mental.

-O estudo envolveu uma amostra de 999 homens e mulheres de idade avançada. Para tal, seleccionaram-se todos os que responderam afirmativamente à seguinte frase: “Ainda tenho muitos objectivos que hei-de concretizar na vida”. Nove anos depois foi possível constatar que os que haviam respondido afirmativamente tinham tido uma taxa de mortalidade 63% inferior aos “pessimistas”.

-Eu também gostava de ser optimista e já agora, que todos pudessemos ter as condições de vida que tem a maioria da população holandesa. Talvez seja assim no futuro mas como as coisas estão... parece-me In-Provavel.

Fonte: Scientific American Mind, Feb./Mar. 2006.

Rui

quinta-feira, fevereiro 23, 2006

E-mail de "NADA"













Manda este e-mail a zero amigos.
Se não mandares, não te acontece nada e se mandares também não te
acontece nada!
Acredita! É mesmo verdade!
Houve um rapaz que acreditou, e depois de enviar não lhe
aconteceu mesmo nada.
Outro não acreditou e nada lhe aconteceu!
Por isso acredita, senão nada!

Recebido por e-mail

Rui

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Velas e vento
















"Não dominamos o vento, mas podemos podemos orientar as velas!"

Rui

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

EMBIRRAÇÕES II












-Aumentos de gestores públicos de 30%. Aumento da constituição dos conselhos de administração das empresas publicas. O presidente custa mais 41,7% que o rei de Espanha. E em Espanha há só um rei. O Governador do Banco de Portugal ganha por ano quase o dobro do presidente da Reserva Federal dos EUA e dá-se ao luxo de periodicamente renovar a frota directiva com carros de luxo, tendo até atribuído um automóvel ao seu motorista para uso deste.

A Administração do Porto de Lisboa (APL), contratou em 2005, mais 20 trabalhadores e 20 chefias, em comparação com 2004. Ainda “Trocaram os três Mercedes comprados no início do ano por dois Audis e um BMW”. O Grupo Portugal Telecom (PT) dá hoje emprego a dezenas de ex-políticos, autarcas e filhos de governantes. Ferro Rodrigues, foi nomeado pelo Governo embaixador de Portugal na OCDE. O primeiro-ministro tem 15 secretárias pessoais, 18 assessores, 13 adjuntos. Assinou um despacho para desbloquear, a título excepcional, a contratação da sua ex-assessora, Maria Rui, para a Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia (REPER), em Bruxelas. O Ministério da Justiça pagou entre Janeiro a Junho de 2005 mais de 500 mil euros de renda por umas instalações vazias no Sintra Business Park. Nomeou uma assessora para a impressa, com um ordenado de 3254€ mais abonos. O Governo actual já nomeou 2418 pessoas para gabinetes ministeriais.

Os custos de construção do Metro de Madrid são menos de metade (35%) dos verificados no Metro de Lisboa. As escolas do 1º ciclo estão a fechar pelo país fora. Hospitais estão a ser privatizados, maternidades vão fechar. A gasolina esta 56 escudos mais cara que em Espanha. Os medicamentos são mais caros, os actos médicos são mais caros. O País vive de há uns tempos a esta parte numa pausa de casos públicos de corrupção. Boys e mais boys. A lista é interminável. Mas o benefício para os cidadãos cumpridores é cada vez menor.

Pode ser que isto melhore, mas assim é IN-Provavel.

Rui

Com base em:
O INDEPENDENTE
ecurioso.blogs.sapo.pt/

Postes e cães












-Existem no mundo pessoas que para mim são sinónimo de aborrecimento profundo. Gente que não entende, ainda que se esforce, o básico principio de que o óptimo é inimigo do bom e que até o mal tem lugar no universo.
-São pessoas que não recusam a mais ínfima oportunidade de meter o nariz em tudo, de falar acerca do que lhes não diz respeito e emitir o maior número de opiniões não solicitadas. Para algumas dessas pessoas, o mundo é o palco do teatro em que gesticulam grandes gestos a ilustrar discursos grandiosos e ocos. Neles o pior é não conseguir evitar-lhes o fogo caloroso dos seus conselhos, das suas erróneas apreciações condoídas e dos comentários bem intencionados. São na maioria pessoas sinceras, que julgam que podem mudar o mundo apenas expressando o seu desejo de o fazerem. São eles próprios os seus maiores admiradores, admiram e admiram-se com as suas próprias palavras e ideias, embora nunca se rejam por elas. Tem em todas as ocasiões um pensamento caridoso e uma palavra que julgam profiláctica e tem dificuldade em respirar entre tantas palavras inúteis.
-Esquecem no entanto, quase sempre, que o interesse nessa cadeia de infernais boas intenções, nem sempre é partilhado por aqueles que delas são alvo.

-Olho-os como os postes olham os cães.

Rui

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

Idiotices IV












Dois ladrões num museu de arte:

- Hei! Olha ali um Picasso!
-Hã… esta instalação artística deve valer bem mais.
-Porquê?
-Porque é feia que se farta e agora a Arte tem que ser feia.
-Tens a certeza?
-Claro. Sou um ladrão profissional de Arte!
-Então esta coisa deve mesmo valer muito, muito, muito.
-Porquê?
-Porque é mesmo muito, muito, muito feia.

Rui

EMBIRRAÇÕES I















Eu juro que tentei não comentar, mas que querem ?
O homem é embirrante, são opiniões.

Rui

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Valentim, o dia do Santo











-Há um dia em cada ano em que a cidade se enche de vermelho ou encarnado, se preferirem.
-Chega a parecer que a Rainha santa Isabel retornou da História e fez, não só o milagre das rosas mas também o milagre da multiplicação das rosas. Ou que o país inteiro se rendeu à celebração de um titulo do Benfica, do Salgueiros ou agora, da selecção Nacional de nova fatióta.
-Não existe alminha, seja homem ou mulher, que me desculpem os que se não incluem nas duas categorias, que não transporte consigo uma dessas singelas flores,
ou ramos delas acompanhadas de um cartãozinho .
-Cruzo-me com homens que arrastam consigo rosas à unidade, em cones de celofane ou aos ramos, consoante a bolsa, mas todos ou quase, com ar de quem cumpre não um ritual mas um dever pesado, como o de ir votar em dia de “ponte” e de praia no Verão. As mulheres, senhoras ou meninas não lhes ficam atrás; algumas trazem dois e três ramos ou rosas e parecem olhar em redor à procura de um caixote que a Câmara Municipal ali deveria ter colocado.
-Nas montras está tudo da mesma cor. Abundam em todas os mesmos músculos cardíacos estilizados e os mesmos ursos de peluche abraçados a tudo e mais alguma coisa.
-Para o comércio é um dia de “fartar vilanagem”. Há de todo em todos os feitios, mas tudo na mesma côr e com o mesmo objectivo. É necessário, até mesmo obrigatório, comprar algo para que o “objecto” da nossa paixão saiba um dia por ano, que o/a não esquecemos, para que se não sinta esquecido/a para que possa mostrar e comparar com os/as amigos/as os postais melosos e os presentes mais ou menos dispendiosos.
-Os restaurantes e sucedâneos lugares onde se come, estão cheios de parezinhos de namorados, um de cada lado de uma vela inevitavelmente vermelha e os empregados correm entre as mesas a fingir sorrisos enquanto pensam na gratificação.
-Tudo em nome de um santo que provavelmente não existiu, que não fez nada do que as pessoas pensam e que é uma tradição estranha à nossa cultura. Mas isso que interessa? Há que avançar com os novos tempos, respeitar os novos hábitos, ainda que impostos pelo consumismo e inventar mais uma dúzia de dias para que se compre algo mais, em nome de algo mais.
-Por cá, também existem partidos e governantes que à falta de causas prementes, inventam e reciclam causas antigas para desviar a atenção dos seus problemas e ganharem assim algum espaço na comunicação social.
-Será assim tão diferente o comércio da política e a política do comércio?
-Pode ser que sim mas parece-me cada vez mais In-Provavel.

-Quanto ao S. Valentim, fica-me o contentamento pelos gestos realmente sinceros e pelos sorrisos de apaixonada satisfação que o dia traz.

-Eu sorri e pensava ser In-Provavel.


Rui

Nota: Relativamente ao mesmo tema, existe um outro "post" publicado em Setembro 09, 2005, intitulado: "Cupidos e outros adoráveis malandretes".

terça-feira, fevereiro 14, 2006

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Sssshhhht...














Fala agora!

Um dia não nos será permitido falar porque alguém, não sei onde, se irá sentir ofendido por alguém que irá dizer, não sei o quê, que não sei quem, não irá gostar…

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Retrato



quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Haja saúde!














-Em qualquer tipo de teste, seja ele físico, médico ou outro, tento sempre obter o melhor resultado possível, de preferência ainda melhor do que o possível.

Ainda me recordo que em miúdo quando fiz um teste de visão, queria ver mais até do que aquilo que era possível ver. Esforcei-me imenso por ver até o que não existia. Talvez esperasse que o oftalmologista me dissesse algo como: “Rapaz… tens um super-poder de visão, tenho que mandar os teus testes para a NASA”. No entanto, quando me pedem a amostra de urina, aquilo que levo comigo no “frasquinho”, parece-me sempre pouco. Para que raio querem eles um frasco tão pequeno, quando eu tenho tanto para dar? Pelo contrário cada tubinho de sangue que me tiram, parecem-me litros dele, litros que eu produzi com trabalho e alimento, e que vou ter que repor e pagar de novo.

Li não sei onde que a ciência médica tem feito descobertas fantásticas e que progride a bom ritmo, no entanto uma das coisas que mais me agradou foi o anúncio de que o vinho ajuda a prevenir possíveis ataques cardíacos; Agora, sempre que saboreio um bom tinto do Dão, Douro Alentejo ou Estremadura sei que estou a contribuir para a minha saúde e não apenas a satisfazer a gula como até aqui fazia.

Toda a gente que ser sadia. Toda a gente quer estar em forma, mas para quê?

Hoje em dia, dizer que não se frequenta um ginásio é quase uma penosa confissão, é como se se fosse um ser de outro planeta ou como se se tivesse cometido um crime horrendo e tivesse orgulho nele. Mas francamente não me convencem. Não tenciono gastar o meu rico dinheirinho para alimentar as necessidades e vícios de gente que tem um ar mais saudável do que o meu. Para quê? Hoje em dia excepto na profissão de estivador ninguém necessita de levantar cargas pesadas; Se não se pretender correr a maratona para quê treinar a corrida de manhã? Quanto aos músculos, para que são precisos? Não tenciono espancar ninguém. Na nossa sociedade, o esforço físico quase não existe e quando existe é pago em mensalidades, jóia de inscrição, tempo e suor.

Rui

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Diálogos VI





















- Já alguma vez te envolves-te com alguém com quem sabias que irias ter uma relação complicada?
- Sim!
- Porque?
- Por medo.
- Medo? Medo de quê?
- Medo de ser como os outros. Os que não sonham, os que não crêem, os que não tentam e falham ainda assim e por isso.
Medo de sobreviver sem ter vivido.


Rui

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Idiotices III





















-Há pessoas cujo cérebro vale muito mais do que o de outras, pelo simples facto de estar em melhores condições por falta de uso.

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

Idiotices II



















-Há muita gente a quem apenas a morte melhora.
A tragédia é que raramente são essas pessoas as escolhidas.

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

Viagem










-O homem de bigode farto junto à porta de saída.
-A senhora nova mas pesada, que espalhava o aroma de frango assado pelo autocarro, segurando como um tesouro o saco de plástico estampado de uma churrasqueira da baixa.
-Mesmo na minha frente, o adolescente com a pouca barba desenhada e o piercing, calcorreava com os polegares as teclas frenéticas do telemóvel; Parava apenas para lançar vislumbres à menina que lia interessada uma “Maria” qualquer.
-Do outro lado da coxia, dois ucranianos conversam com o volume e a convicção de quem não é entendido por mais ninguém.
-Um homem escondia o sono por detrás da bola e fingia ler, cabeceando a cada travagem.
-O habitual policia fardado, em pé ao lado do motorista, regressando ou a caminho da esquadra.
-O tipo cool, de blusão negro com correntes e penteado trabalhado com a prática de quem tem tempo em excesso, olhava as luzes da rua e sonhava com um concerto de heavy-metal qualquer.
-O vendedor, que hoje deixara o carro na empresa, entalado no fato a imitar corte italiano e que lhe era grande demais, a querer parecer mais alto do era.
-O informático, alternando entre o portátil, para impressionar, e o telemóvel. Falava mais alto do que os ucranianos, como se tudo fosse “importantíssimo e ele um verdadeiro líder.
-A professora, ainda jovem, com a pasta aos pés e as olheiras sob os olhos, lendo papeis ilegíveis e ar triste a cada leitura. Tinha cabelo escuro e franja e mordiscava a intervalos a usada esferográfica vermelha.
-Numa curva mais rápida deixou cair parte dos papéis, estava cansada. Apanhei-os e entreguei-lhos. É então que a sua face neutra e abandonada sorri. Olha-me e sorri.
-Já nos encontrámos hoje.
-Perdão? - Foi apenas o que consegui dizer e não sei que ar terei feito, embora tentasse sorrir.
-Já nos encontrámos hoje! …de manhã, à vinda, neste autocarro.
-Pois sim, deve ter sido isso mesmo.
-Esboçou um sorriso e arrumou os testes na mala.
-Saiu na paragem seguinte sem se voltar para trás. Quase a admirei, apenas por me ter tanto recordado alguém que lembro sempre.


Rui

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

IDIOTICES










A distância pode medir-se em tempo.

Por ex. : “Fiz 180 quilómetros em 2 horas!”

O contrário não é possível!

Imaginem:

-Estás à minha espera há muito tempo?

-Sim! Há 180 quilómetros.