sábado, agosto 30, 2008

Porque não voto BARACK OBAMA!


















Porque não voto OBAMA ?

___________________________________________________________________________


Podia ser por que:


-Não é suficientemente preto (ou negro se o leitor for dos que sofre de “comichões politicamente correctas”)?

-Não é suficientemente branco?

-Não é suficientemente mulher?

-Não é hispânico?

-Não é suficientemente experiente?

-Não é suficientemente inovador?

-Porque é casado com uma advogada?

-Porque parece o negativo de Bill Clinton com a sua idade?

Não é por nada disso.


Reparem que se a ideia fosse ter alguém que fosse branco o suficiente, preto (ou negro) o suficiente e suficientemente mulher, as eleições primárias não eram necessárias tinham o Michael Jackson para eleger. Além disso, o facto de não ser mulher não parece ser problema; Hillary Clinton também não é e no entanto desejava ser presidente dos EUA. Que raio de mulher suporta uma humilhação mundial daquelas, finge não saber de nada e perdoa tudo apenas com a finalidade de ser presidente como o marido?

Até diziam por lá que já tinha um estagiário em vista e comprada uma caixa de charutos Cubanos.


Depois há a questão de ser um negro (ou preto) a ser escolhido como candidato pela primeira vez; Grande coisa, são capazes de aceitar um negro (ou preto) quando a outra única escolha é uma mulher? Grande coisa!


Pouco antes de ter ido à Alemanha, Obama era contra a exploração de petróleo off-shore; Depois fazendo jus à “Palavra de Ordem” da sua campanha, parece ter mudado de opinião e já se manifesta aberto à hipótese; Com a retirada do Iraque fez o mesmo. Afinal o que vai mudar parecem ser as suas ideias.


Durante o discurso que fez em Berlim milhares de alemães gritaram e aplaudiram. Isso (já que não se tratava de futebol) recordou-me outro discurso em que uns alemães aplaudiam, e não entendiam nada e outros aplaudiam excitados. Foi no século passado. Não, não foi o de JFK. Mas pensei que os franceses ao verem aquilo tudo se rendessem logo a seguir.


Obama prometeu às suas filhas que depois das eleições lhes ofereceria um cão. Hillary prometeu logo pagar a castração do animal; Que raio de recalcamentos terá ela?


Embora Barack seja um “inspiradíssimo” e talentoso tribuno, com discursos eficazes, soube que o outro lema da campanha:”Yes we can”, já fora usado por outro presidente democrata. Bill Clinton usava-o frequentemente com os estagiários da Casa Branca.


(Agradecimentos ao LateNightShow por algumas das piadas)




Agora a sério:


Não voto Obama porque não sou cidadão dos EUA e se fosse não sei se o faria.

Não gosto de muita gente que o apoia como o casal Clinton ou da sua escolha para vice-presidente. Joe Biden é fartamente conhecido por cometer gaffes graves, ao ponto de ser fonte de muitas anedotas.

Não gosto das temáticas dos seus discursos, a pretender a gradar a gregos e troianos.


Mas sobretudo não voto, ou não votaria, porque Obama promete grandes mudanças e grande progresso.

É que eu sei que quando um candidato promete mundos e fundos durante a campanha eleitoral e é eleito, no mínimo: não há o emprego prometido, há agravamento da carga fiscal, há hesitação na construção de aeroportos, há progresso apenas para os correligionários e invariavelmente as SCUTS passam a ser pagas.

quinta-feira, agosto 28, 2008

Insegurança, Criminalidade Violenta, Operações Policiais





















Insegurança, Criminalidade Violenta, Operações Policiais e o escritório de Vitalino.

______________________________________________________________


Dois dias depois da morte de um cidadão inocente nas instalações de um Tribunal (caiu-lhe o tecto em cima) eis que em outro tribunal é roubada uma caixa Multibanco apesar de existir um alarme e sistema de câmaras de vigilância. O alarme não disparou e as imagens não possuem qualidade suficiente para identificar os ladrões. É imensamente injusto.


O escritório de advocacia de Vitalino Canas (porta-voz do Partido no Governo e que tem desvalorizado a “onda de violência”) foi assaltado. Justiça do destino?


Em resposta ao surto de criminalidade violenta a Polícia organiza operações de enorme visibilidade (helicóptero incluído e tudo) em bairros problemáticos e avisa a comunicação social. É mediaticamente justo!


Ministério da Justiça contradiz Secretario de Estado da Administração interna quanto a uma possível alteração do Código Penal e do Código de Processo Penal. É justo que ninguém se entenda, justamente quando era necessário entendimento perfeito.



A actual “Crise de Criminalidade Violenta” (como os órgãos de informação lhe têm chamado) não é crise nenhuma. Trata-se, isso sim, de um processo “em evolução” que facilmente seria previsível a quem tenha estado minimamente atento às coisas deste Estado. É comum e sociologicamente correcto afirmar -se que a violência está intimamente ligada a fenómenos de exclusão, de pobreza, desemprego e à existência de baixos salários e más condições de vida. Todos estes factores se têm vindo a avolumar no passado mais recente.


Temos portanto um país empobrecido em que as “polícias” lutam com más condições de trabalho, falta de meios técnicos, carência e envelhecimento de efectivos, armamento obsoleto, más instalações, má rede de comunicações e muitas vezes falta de formação profissional e até humana. As reformas dos Códigos Penal e de Processo Penal conduziram a uma, ainda maior, desmotivação das forças de segurança que passaram a ver muitas das suas acções de detenção serem “anuladas” em tribunal. Por outro, as mesmas reformas, fizeram com que muitos indivíduos com problemas com a justiça se vissem colocados nas ruas sem qualquer tipo de integração e sem outra hipótese de sobrevivência que não fosse de novo o caminho do crime.


Também começa a parecer ser “tabu” ligar os fenómenos de criminalidade violenta ao fenómeno crescente de emigração, sobretudo a emigração ilegal que é a maioritária e acerca da qual, nem números minimamente precisos existem. É urgente o reforço do controlo de entradas nas fronteiras externas da Comunidade Europeia, mas também é urgente o controlo interno.

Não é justo para ninguém que o espaço comunitário se transforme no refúgio de comprovados criminosos: Não é justo para o vulgar cidadão, carente de segurança e qualidade de vida; Não é justo para a classe criminosa nacional que vê o seu nicho de actividade ocupado. Carecendo de formação, conhecimentos tecnológicos e organização de base, não conseguem competir com os recém chegados excepto aumentando o nível de violência; Finalmente não é justo para o país que vê o produto dos assaltos e roubos contribuir para o enriquecimento de países estrangeiros.


No entanto o porta-voz do Governo diz que o Governo está atento e eu acredito. Com toda a certeza os senhores ministros com direito a protecção policial já recomendaram mais atenção aos agentes encarregados de os proteger. Os restantes ministros, os Secretários e Sub-secretários de Estado lêem os jornais e assistem às notícias na televisão como eu e por isso sei que estão atentos. Alguns já mandaram instalar sistemas de alarme anti-intrusão ou detecção e localização nos lares e veículos que possuem. Estão obviamente atentos!

Há poucos dias foi criado o “cargo” de Coordenador das Policias, com equivalência a Secretário de Estado. Sem dúvida mais alguém que irá estar atento e o Governo irá ficar ainda mais atento, já que passa a dispor de toda a informação acerca de investigações em curso e que antes estava afastada da esfera politico-partidária-governamental. Logo mais atenção.


Eu próprio ando mais atento: ando na rua com atenção, tenho atenção ao trancar a porta de casa e mantenho a atenção à carteira em todas as situações, embora que se ma roubarem, apenas me ficará a mágoa da perda do objecto e dos documentos. Afinal sendo português tenho uma carteira vazia a condizer com a crise e com a alma.


Não tenhamos a ilusão de que se trata de uma crise sazonal ou cíclica É que a fome, o vício ou o desespero não desaparecem com o frio ou com a chuva do Outono e Inverno.

sábado, agosto 23, 2008

Violência, Criminalidade e o Sr. Ministro

Rui Pereira  Administração Interna In-provavel











Rui Pereira
Ministro da Administração Interna
Não disse mas podia ter dito!
Pois só um cego não vê aquilo que todos vêem; Só um inconsciente nega o que é evidente e apenas alguém insensível não sente o que todos sentem.

quinta-feira, agosto 21, 2008

Nelson Évora ouro
















Para agora o regozijo.
Depois dos Jogos, a opnião acerca das polémicas imbecis que os marcaram , neste país IN-Provavel!!
Até que os jogos terminem que haja jogos!

terça-feira, agosto 12, 2008

Guerra Georgia / Russia




















(SEM COMENTÁRIOS)

quinta-feira, agosto 07, 2008

Textículos VIII






Expressões estúpidas vulgarmente usadas

___________________________________

“Claramente incompreendido”

“Curso Básico Avançado”

“Cultura Nova-iorquina”

“Cerveja Australiana”

“História Americana”

“Comida de Avião”

“Aterro Sanitário”

“Ciência Politica”

“Ética Negocial”

“Vida extinta”

“Ética Politica

“Força de Paz”

“Inteligência Militar”

“Chocolate dietético”

“Legalmente intoxicado”

“Segurança Informática”

“Segurança de Discoteca”

“Fim-de-semana de Trabalho”

“Organização Governamental”

quarta-feira, agosto 06, 2008

Portugal e os Jogos Olimpicos de Pequim 2008

Jogos olimpicos - Portugal IN-provavel

RESULTADOS OLIMPICOS - PORTUGAL 2008

_______________________________

LANÇAMENTO DO DISCO: Toni Carreira.

LANÇAMENTO DO PESO: Fernando Mendes do “PESO CERTO”.

LANÇAMENTO DO LIVRO: “A VERDADE (possível) DA MENTIRA (provavél) ” que bateu o anterior recorde nacional de “EU CREOLINA”.

LEVANTAMENTO DE TESOS: Aquilo que este governo não consegue, não sabe e não parece pretender fazer aos pensionistas e idosos do rectângulo (olimpicamente) à beira mar plantado.

SALTO À VARA: Armando Vara, cada salto, cada vitória socrática.

LANÇAMENTO DO MARTELO: Martelo, perdão Marcelo Rebelo de Sousa ainda e sempre a procurar lançar-se para uma eventual candidatura à Presidência da República.

SALTO EM INCUMPRIMENTO: José Sócrates.

TRIÁTLO: Prestação da casa, do carro e sobreviver.

VELA: O modo como a politica nacional parece ser dirigida: “Ao sabor do vento”.

SALTO EM ALTURA: O preço dos combustíveis e o lucro das petrolíferas.

4 X 100 metros (estafeta): Líderes do PSD.

10000 METROS OBSTÁCULOS: Viagem Diária casa/emprego e emprego/casa dos cidadãos dos grandes centros urbanos.

NATAÇÃO: Manuel Pinho, Jamais alguém meteu tanta água, sempre que fala, como ele tem metido.

JUDO: Eu (a)judo esta Instituição de Solidariedade, aquela Organização Humanista, a outra Fundação, aqueloutra Liga de Amigos, mais uma Associação de Voluntários, uma ONG, aquele Lar, uma Sociedade Cultural, um Grupo Desportivo Infantil e um Clube de Amadores!

Entretanto o ESTADO que FAZ??

PATINAGEM ARTISTICA: Maria de Lurdes Rodrigues e Valter Lemos. Um par “único” na patinagem sobre o gelo da educação. Não apenas congelaram a qualidade como foram capazes de promover os maiores deslizes de ética. Embora ainda não tenham registado nenhuma queda grave o ensino nacional tem caído (e muito) por sua culpa directa.

GINÁSTICA ARTISTICA: Aquilo que continua a faltar ao nosso Ministério da Cultura que deveria pelo modo como funciona (mal) ter no máximo o Título de “Direcção-Geral”.

ARGOLAS: aquilo que um deputado socialista do Porto visa proibir na sua próxima proposta legislativa; Depois da proibição das tatuagens e dos piercings e antes da proibição de hambúrgueres e verniz de unhas. A ASAE que se prepare que trabalho não lhe há-de faltar.

BARRAS PARALELAS: Aquilo que mais dia, menos dia, os portugueses irão ver ser-lhes tatuado, algures, no corpo. Este código irá incluir além de todas as informações de saúde, fiscais e de identificação civil, também a matricula do automóvel, o cadastro e o número da roupa interior. Em alternativa estuda-se a implantação de um “CHIP” tal como já se faz com os cães.

FUTEBOL DE PRAIA: aquilo que a nossa selecção pareceu estar a fazer no Campeonato da Europa, pelo menos nos intervalos de procurar contratos lucrativos em outros clubes! (Não é Olímpico mas podia ser).

MARATONA DE BOXE POR EQUIPAS COM TIRO OLIMPICO: Habitantes de um bairro “mediático” em confronto com os vizinhos do mesmo bairro. Uma prova por equipas em que nem sequer os eternos defensores das minorias se apresentaram a público com a “força humanista” e “bloquista” do costume.

terça-feira, agosto 05, 2008

Textículos VII

 

In-PROVAVEL com tomates

 

_____________________________________________

-As reformas dos políticos são imorais, ou os políticos das reformas é que são imorais?

sábado, agosto 02, 2008

O que disse Cavaco




















O que disse Cavaco e o que os portugueses não entenderam:
____________________________________________________________________


Isto (em resumo) foi aquilo que o Presidente da República disse!

Factos:

Sócrates prometeu a César mais poder autonómico para que este se candidatasse a um novo mandato!

O PSD não querendo ser acusado de negar mais autonomia lá foi embarcando na revisão do Estatuto Político-Administrativo que acabou por aprovar sem grandes alterações.

Os restantes partidos, mais uma vez, com o receio de perderem votos ou serem acusados de não serem “autonómicos” embarcaram também na mesma “barca furada”!

O Estatuto estava desde logo e obviamente “ferido de inconstitucionalidade”, como o veio a declarar o Tribunal Constitucional.

O mesmo estatuto alterava as competências (reduzindo-as e complicando o papel decisório) do Presidente da República, na tomada de decisões relativas aos Açores.

Incluía também “aumentos” para os deputados ainda que de forma encapotada, o que não sendo inconstitucional é pelo menos altamente IMORAL!

Apenas Mota Amaral pareceu na altura ter reparado nisto.

È francamente triste que os políticos dos partidos nacionais tenham uma espinha tão maleável no que respeita ao binómio: exercício de poder e obtenção de votos!

Talvez pouca gente tenha entendido o que Cavaco disse, a sua premência e importância mas ficou-lhe bem dizê-lo. Muito bem!