sábado, junho 30, 2007

Candidatos à Camara de Lisboa






















--Atendendo ao enorme interesse que tem vindo a suscitar a campanha para a Câmara Municipal de Lisboa a cada candidato foi feita apenas uma pergunta a que deveria responder com honestidade.

--A questão colocada foi a seguinte:

--“Porque decidiu candidatar-se à Câmara de Lisboa?”

Eis as respostas de alguns dos candidatos.























---Em primeiro lugar, candidato-me para poder dizer que o governo deve fazer aquilo que nunca fez quando eu fazia parte do governo.

--Em segundo lugar, sou um especialista em fogos e a Câmara Municipal estava muito quente e o PS em brasa para encontrar um candidato que não estivesse queimado. Além de que como o edifício camarário já ardeu há uns anos, se arder de novo comigo, já vão estar todos habituados.
















-Por duas razões:
-A primeira é que eu sou um Engenheiro a sério e a segunda é que sempre sonhei ser esse o meu Fado. Além disso eu é que sou Camâra.


















- Fi-lo sobretudo para compreender a confusão de siglas que é preciso decorar para ser presidente de câmara.





















-Candidato-me para manter a tradição de me candidatar


















-Obviamente, candidato-me para, no caso de ganhar, poder demitir-me e entrgar o cartão de presidente de camara.


















- Sou candidato por exigência do povo e por exigência do meu partido. Além disso consigo ocupar um ecran de TV na totalidade.


























-Eu sou candidato para poder mais rápida e eficazmente, interpor providências cautelares sempre que achar necessário e tenho sempre achado que é necessário. Obviamente se eu fosse o presidente seria ainda muito mais necessário.
-Além disso não gosto de ficar de braços cruzados.


























-Claramente e de uma vez por todas eu sou candidato por ter tido autorização do Paulo Portas que já estava farto de feiras .

sexta-feira, junho 29, 2007

Ministro da Saúde

























- Será caso de multipla personalidade ou personalidade bipolar?
- Digo mais... será caso de personalidade bipolar ou de multipla personalidade?

quarta-feira, junho 27, 2007

EU, EU, EU!



























Os EU (Estados Unidos) pensam que são EU.

Alguns esquizofrénicos como TU acham que são EU.
EU sei o que fizeste o Verão passado.
EU digo EU, TU dizes EU, ELE diz EU, mas só EU sou EU.
A EU (European Union) não é EU.
EU sou o maior.
EU sou o unico.
EU sou, EU fui, EU vou.
Quem? EU?
EU comigo, EU consigo, Eu sou capaz.
EU VI = Eu sexto.
A mim me doEU.
EUcalipto, TUbarão, ELEctrocutado.




EU sou ninguém, ninguém é perfeito, então EU sou perfeito. Mas só Deus é perfeito. Então EU sou Deus

EU sou Deus! O amor é cego Deus é amor.
Steve Wonder é cego, então Steve Wonder é Deus, mas EU sou Deus.
EU sou Steve Wonder!
Oh não, EU sou cego!!

segunda-feira, junho 25, 2007

Diálogos IN-provaveis











Professor: O senhor acredita em Deus?

Aluno: Absolutamente!

P: E Deus é bom?

A: Sim, claro.

P: E Deus é todo-poderoso?

A: Sim.

P: Um amigo meu, há muito pouco tempo, faleceu com cancro apesar de eu ter rezado para que Deus o curasse. A maioria das pessoas tentariam ajudar aqueles que sofrem e que estão doentes, não é assim?

Deus não o fez. Como pode então Ele ser bom?

A: (Silêncio)

P: Não consegue responder pois não? Vamos então recomeçar. Deus é bom?

A: Sim.

P: O diabo é bom?

A: Não.

P: Quem criou o diabo?

A: Deus.

P: Exactamente. E já agora, há mal no mundo?

A: Sim.

P: O mal está em todo o lado não está?

A: Sim.

P: E Deus foi quem fez todas as coisas, não foi?

A: Sim.

P: Então quem criou o mal?

A: (Silêncio)

P: Existe doença? Imoralidade? Ódio? Fealdade, fome, guerra sofrimento e todas essas terríveis coisas neste mundo?

A: Sim, existem?

P: Quem foi então que as criou?

A: (Silêncio)

P: A ciência afirma que existem cinco sentidos que usados para apreender o mundo em nossa volta. Já alguma vez viu Deus?

A: Não.

P: Já alguma vez o tocou, saboreou, ouviu, cheirou ou teve algum tipo de percepção da sua existência?

A: Não, nunca tive.

P: E no entanto acredita que ele exista?

A: Sim.

P: De acordo com o conhecimento empírico, testável, mensurável e com o pensamento científico a ciência afirma que Deus não existe. Que tem a dizer disto?

A: Nada. Tenho apenas a minha Fé.

P: Pois, a Fé esse é um grande problema humano.

A: Desculpe. Deixe que lhe pergunte: O calor existe?

P: Sim.

A: E existe algo chamado: o frio?

P: Sim.

A: Não senhor. Não existe!

P: (Silêncio)

A: Aquilo que existe é o calor que pode ser pouco, muito, muitíssimo calor, calor imenso ou nenhum calor.
-Não existe nada a que possamos chamar “frio”. Podemos atingir 458 graus abaixo de zero que é o ponto da não existência de calor mas não podemos ir para alem disto e isto não se chama frio. O “frio” é apenas uma palavra que se usa para descrever a ausência de calor mas não significa nada de mensurável. Calor é energia. O frio não é o oposto de calor é apenas a ausência deste.

P: (Silêncio)

A: E que dizer da escuridão? Existe escuridão?

P: Claro que sim! O que é a noite senão a escuridão?

A: Está errado de novo. A escuridão é apenas a ausência de algo. Pode existir luz fraca, forte, brilhante, de diversas cores… mas se constantemente não existisse luz não haveria modo de definir escuridão. Logo a escuridão não existe. Nem existe modo algum de fazer a escuridão mais escura.

P: Onde é que quer chegar com essa argumentação, jovem?

A: Quero apenas demonstrar que a sua argumentação é errada e baseada em premissas erradas.

P: Errada? Pode explicar-nos porquê?

A: Porque se baseia na premissa da dualidade. O senhor argumenta que existe vida e existe morte, um Deus bom e um Deus mau. Assim analisa o conceito de Deus como se este fosse finito e mensurável. A ciência não é sequer ainda capaz de explicar o pensamento, mas nunca ninguém sequer viu nenhum dos dois fenómenos. Pensar a vida como o oposto da morte é ignorar que a morte não pode existir como algo substantivo. A morte não é o oposto da vida mas apenas a sua ausência.
-Já agora diga-me, por favor: o senhor acredita que o homem e o macaco possuem um antepassado comum?

P: Caso se refira ao processo evolucionário da espécie humana, claro que sim.

A: O senhor alguma vez observou esse processo com os seus próprios olhos?

(Sorriso condescendente e ligeiro abanar de cabeça por parte do professor)

A: Se nunca observou tal processo, então aquilo que ensina não passa da crença que possui de que ele existe o que faz de si não um professor mas sim um pregador.

(Gargalhadas de fundo enquanto o aluno se volta para os restantes)

A: Há aqui alguém ( com todo o devido respeito) que já tenha visto o cérebro do professor?

(Mais gargalhadas, estridentes desta vez)

A: Há aqui alguém que já tenha visto o coração do professor, o tenha tocado, saboreado, ouvido, cheirado ou que tenha tido algum tipo de percepção da sua existência?
-Claro que não. Logo, de acordo com o conhecimento empírico, testável, mensurável e com o pensamento científico a ciência afirma que (com todo o respeito) o seu cérebro não existe. Assim como poderemos confiar em tudo quanto nos tem, tão bem, sabido ensinar?

(O professor hesita um momento sem saber bem o que responder)

P: Bem… penso que também neste caso vai ter que confiar na sua Fé!

A: Muito brigado, professor!

sábado, junho 23, 2007

Do Portugal Profundo










Do Portugal Pró-Fundo

-José Sócrates tem todo o direito de se sentir ofendido se alguém atentar contra o seu bom (?) nome a sua personalidade (?) ou honra (?).
-Também nós todos, enquanto cidadãos, temos o direito de nos questionarmos acerca das magníficas trapalhadas em que aparece a sua licenciatura (?), o seu envolvimento com o professor que afirmou (mentindo) que não conhecia e todas as tropelias miseráveis de que temos vindo a ser vitimas.
-Foi exactamente isso que fez o cidadão António Balbino Caldeira no seu BLOG “Portugal Profundo”, exercendo o seu direito de opinião. Tal facto parece ter-lhe custado uma queixa-crime (aparentemente não confirmada) por parte do tiranóte de serviço ao (des) governo da nação. Se a ofensa realmente existisse, poderia e deveria ter sido a verdade explicada na celebre entrevista televisiva que não convenceu ninguém e onde para lá de não ter esclarecido nada, tudo me leva a pensar que voltou a mentir. Já várias vezes disse que não se me dá se o cidadão José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa nascido em Vilar de Maçada a 6 de Setembro de 1957 é ou deixa de ser engenheiro e volto a afirma-lo. O que não admito é que o Primeiro Ministro do meu país, impune e silenciosamente, possa ter usado meios, no mínimo censuráveis, para obter uma licenciatura. Do mesmo modo, não admito que falte à palavra dada em campanha eleitoral ou que se comporte como se fosse dono de um país.
-Com relação ao “Portugal Profundo” e ao seu autor, aquilo que sempre fez foi divulgar factos referenciando-os e extraindo deles, legitimas e mais que razoáveis dúvidas no exercício da sua liberdade de opinião e expressão.--Como se não bastassem as tentativas comprovadas de manipulação de órgãos de informação, J. Sócrates parece agora apostado em passar por virgem violada e ofendida quando o que deveria ter feito era ter-se explicado com humildade sincera quando o pode fazer.
-Todos já sabíamos que o “bufismo”, “o caciquismo”e o “lambe-pésismo” estavam de volta. Agora podemos comprovar que é regressado o delito de opinião.
-Fiquemos à espera. Talvez o lápis azul tenha de novo a sua oportunidade, quem sabe, agora sob o disfarce legalista de lápis cor-de-rosa.

-Quanto a mim, se quiserem, que me mordam ou em alternativa que me instaurem uma queixa-crime.

Visite aqui a notícia "José Sócrates apresentou queixa-crime contra bloguer" (20/06/2007)

Visite aqui a notícia "Balbino Caldeira arguido no caso da licenciatura de Sócrates" (16/06/2007)

Visite aqui o blogue "Do Portugal Profundo"

quinta-feira, junho 21, 2007

SEMPRE












-Mais do que apenas uma personagem curiosa, era uma pessoa peculiar.
-Uma pessoa da mais saudável excentricidade; ou como costumo dizer: “um tipo castiço, um autentico castiçal”.
-Possuía uma leviandade quase juvenil, descuidada por vezes em alguns aspectos menos importantes. Sempre apaixonado por causas ou opiniões, sempre ardentemente. Boémio quanto baste, improvisador, alegre quase sempre, excepto nos momentos (raros) em que parecia descer ao plano do vulgar sob o peso das suas, raramente confessadas e inumeras agruras.
-Dono de uma cultura rara e de uma experiência de vida raramente encontrada, parecia ter vivido três ou quatro vezes a idade que tinha e que ninguém nunca lhe adivinhava. Tinha uma lógica perfeita no discurso e uma profundidade de sentimentos que muitas vezes o fazia emocionar-se com facilidade com factos, que a muitos, poderiam parecer triviais.
-Tudo nele parecia ter apenas parecia ter apenas dois estados: a calma paciente, quase beatífica e absoluta e a explosão tumultuosa. Acérrimo defensor dos seus pontos de vista, era assertivo nas discussões que por vezes gostava de provocar e de que saía quase sempre vencedor absoluto. Nessas ocasiões, parecia um furacão de razões, tal era a forma como destruía até ao mais pequeno grão de pó os argumentos dos que dele discordavam. De uma penada só, destruía-lhes não apenas a argumentação mas também as ideias e as opiniões que possuíam ou que pensavam possuir. Capaz de rasgos com frases literatas que sempre surpreendiam quem lhas ouvia, parecia saber sempre tudo acerca do que quer que fosse de que se falasse. Isto, sempre sem a mais pequena atitude de desprezo pelos outros, sem a mais pequena presunção que fosse passível de censura.-Recordo-me do modo concentrado como lia, escrevia ou desenhava; da absoluta atenção que colocava em tudo o que fazia e também recordo que por vezes enredado em conversa com um amigo, era capaz de seguir 15 ou 20 minutos na direcção oposta à que deveria ser a sua. Nunca deixava de responder a quem o cumprimentasse e tinha um aperto de mão fortíssimo e ao mesmo tempo gentil.
-Talvez na realidade não fosse um génio, mas era de todos os que conheço o que da genialidade mais se aproximava e era capaz de atitudes grandiosas para com os amigos.-

-Ultimamente o nosso convívio tornara-se mais raro, mas não a estima e nem sequer a lembrança mútua ou a amizade.
-Soube ontem que morreu, atropelado e sem avisar ninguém.

-Sei que continuará à minha espera na mesa do costume, no café do costume e como de costume, por detrás de uma chávena vazia ou de um copo de cerveja meio-vazio e um cinzeiro meio-cheio.
-Já lhe tenho muita saudade

quarta-feira, junho 20, 2007

Noticia na SIC-NOTICIAS












Noticia na SIC NOTICIAS

20 de Junho de 2007

“… no Parlamento socialistas acusam populares de serem populistas.”

Infelizmente a eles ninguém os pode acusar de serem socialistas!

terça-feira, junho 19, 2007

Governação e depressão









-
Eu tenho vindo a acordar, desde à meses para cá, sem esperança, sem vontade de lutar, quase sem animo para enfrentar os dias e as ideias. Sem vontade de mudar o país, mundo, o universo.
-Outras noites, tenho dificuldade em adormecer ou não durmo mesmo. Fecho os olhos e penso: estou velho, talvez tivessem razão os que me diziam que quando tivesse a idade que então eles tinham, veria o mundo sob outro prisma, de outro modo diferente daquele como o via então, mas isso foi ainda ontem; Ou talvez seja eu quem está mesmo acabado. Conjecturo então que devo continuar a minha actividade física, juntar-lhe complexos vitamínicos, mudar de guarda-roupa, de alimentação, de corte de barba e cabelo…

-Bah…!

-Hoje li uma sondagem que diz que os portugueses estão pessimistas, sem ânimo, com pouca esperança e alguma desesperança. Parece que há uma epidemia de impotência e desanimo a assolar o país neste preciso momento!
-Para mim é culpa do governo.
-A sério, o actual modo de governar é o que nos torna pessimistas a todos. Governar contra todos e em favor de ninguém é desmotivante para quem é governado. Como é desmotivante perder direitos em nome de nada, perder condições na assistência na doença, perder qualidade de ensino, perder condições na evolução da carreira profissional, ver regressar a perseguição a quem é “do contra”, ver liberdades cerceadas em nome de objectivos pouco claros. A culpa é do Governo e mais nada. Não se lhe antevêem objectivos, não possui lógica de acção, espezinha princípios consagrados, diz uns disparates de pasmar e faz outros tantos de corar. Diz hoje para desdizer amanha e sobrevive atolado numa total impunidade ministerial onde a asneira é recompensada com a permanência e o incumprimento premiado com apoio. Afirma peremptoriamente hoje, hesita amanhã e volta a ter certezas logo no dia seguinte.

-Governar assim chama-se desgoverno e não possui outro efeito pratico que não seja o facilitismo, a involução e a descrença dos desgovernados e desgovernados somos todos, logo pessimistas. E pessimistas não dormem, não agem, não protestam, não reclamam, não incomodam.

-Que diabo de tempos são estes?

-Que diabo de país é este?

-Pessimistas de todo Portugal, uni-vos! Somos a maioria!

-Às ruas!

sexta-feira, junho 15, 2007

FUMO II





















"As multas previstas para os fumadores apanhados com um cigarro aceso num local proibido são o dobro daquelas que estão previstas para os consumidores de drogas ilícitas. Se fumar pode custar entre 50 e mil euros, consumir droga dá direito a coimas de 25 a 403 euros, que podem ser substituídas pelo tratamento voluntário."

in DN online, 03.05.2007


-Irrita-me que me tratem como a uma criança e me castiguem a golpes de Lei enquanto tentam fazer-me crer que é para meu próprio bem que me tiram o direito de brincar com o meu brinquedo.

Eu explico: ao retirarem-me a liberdade de fumar em estabelecimentos públicos dizem-me que o fazem em nome da saúde de todos. Existe algo de muito perigoso em promulgar leis que nos protejam de nós mesmos. Antes de mais, não acredito na seriedade da preocupação do Estado para com a minha saúde nem para com a saúde de quem quer que seja; Em segundo lugar, sou maior, vacinado e consciente dos perigos que corro quando voluntariamente os corro. Se me falam na possibilidade de constituir (a minha pratica de fumar) um perigo para não-fumadores, respondo que a eles, tal como a mim, deve ser dado o direito de escolha e não apenas a eles mas também aos proprietários dos estabelecimentos em causa; A uns, a hipótese de escolherem um local sem fumo e aos segundos a hipótese de gerirem o seu negócio para o tipo de clientes que mais desejem ter. Além disso estou convencido que o número de gripes, constipações e insolações irão subir muito de futuro sobretudo entre os fumadores..

-As leis devem servir para garantir os direitos individuais de TODOS os cidadãos e não para protegerem os cidadãos deles mesmos, caso em que se corre o sério risco de legalizar o que em última instância constitui uma séria ameaça à liberdade individual.

-Se o propósito fosse real e não apenas uma medida economicista e de moda, seriam também imediatamente proibidos os desportos radicais mais perigosos, toda e qualquer obesidade, a frequência de alguns estabelecimentos hospitalares, alguns programas de televisão e todas as desculpas politicas para o incumprimento das promessas eleitorais.

-As leis, todas as leis, devem servir para garantir os direitos e liberdades individuais e para permitir e organizar a sã convivência entre direitos e obrigações. Caso contrário caminhamos para uma sociedade asséptica mas morta.

“Toda a acção privada que não constitua dano ou prejuízo moral ou da ordem pública bem como prejuízo de terceiros devem estar fora do alcance da Lei.”

-Tudo o resto não passa de oportunismo politico e vergonhosa demagogia.



Nota-
Ver também "FUMO"
Post de 04/Fevereiro de 2007

quarta-feira, junho 13, 2007

segunda-feira, junho 11, 2007

Sabedoria Impopular










Frequentar a Igreja faz tanto de mim um católico como frequentar uma garagem fará de mim um automóvel.

A inteligência artificial, não consegue competir com a estupidez natural.

Não existe uma única prova científica de a vida seja algo sério.

Para tudo o que é bom, existe uma lei médica, lógica ou governamental que o proíbe.

A velocidade das contas é exactamente o dobro da velocidade dos cheques.

Come equilibradamente, faz exercício, não fumes ou bebas em demasia e morrerás na mesma mas mais estúpido.

Afinal os homens são da Terra e as mulheres também.

Uma multa é um imposto por ter feito asneira, um imposto é uma multa por ter feito bem.

Lixo é algo que mantemos connosco anos a fio e deitamos fora dois dias antes de nos fazer falta.

Não são os jeans que nos fazem parecer mais novos nem mais magros.

sexta-feira, junho 08, 2007

JUSTIÇA















-Apenas vos peço que leiam. Depois peço-vos que pensem à luz da mais básica noção de justiça, de direito, de responsabilidade, de dignidade.
-Depois peço-vos que transmitam, que divulguem e que exijam JUSTIÇA!


22/02/2007
Com leucemia - Professora obrigada a dar aulas

-"Uma docente da Escola EB 2/3 de Cacia, em Aveiro, que se encontrava de baixa há cerca de dois anos, após lhe ter sido diagnosticada uma leucemia, foi obrigada pela Caixa Geral de Aposentações a regressar ao serviço para cumprir um período mínimo de 31 dias de trabalho. Manuela Estanqueiro, de 63 anos, tinha pedido para ser aposentada por incapacidade, mas, após uma junta médica realizada em Novembro, não só viu a pretensão recusada como teve a baixa médica suspensa e ordem para voltar ao serviço, sob pena de perder o vencimento."Sinto-me muito injustiçada. Sei que há quem faça de conta que está doente, mas esse não é, infelizmente, o meu caso", salientou a professora ao CM. ATESTADO ATÉ NOVA JUNTA.
-O período mínimo exigido terminou anteontem e Manuela Estanqueiro está actualmente de atestado médico, até poder ir a nova junta médica. "Estes 31 dias foram de extrema agonia e cheguei a desmaiar em plena sala de aula, para além de ter de descansar nos intervalos. Só consegui ultrapassar este sofrimento porque tive sempre o apoio dos colegas, da escola e da Direcção Regional de Educação do Centro."A decisão da Caixa Geral de Aposentações deixou a docente de educação tecnológica "abalada psicologicamente". "Depois de meses de quimioterapia, era o pior que me podia acontecer", diz Manuela Estanqueiro diz que não a preocupa o facto de lhe recusarem a aposentação – da qual já apresentou recurso – só não entende como a podem considerar capaz para o serviço, quando tem uma doença grave diagnostica. Por causa de tudo isto, viu a baixa revogada, quando "a tinha até Outubro de 2008"".

in: http://www.cacia.pt/index.php?CA=Noticia&IDNoticia=40

-O comentário que se segue, e que nos conta o que infelizmente aconteceu a esta professora, foi extraído daqui:
http://legoergosum.blogspot.com/2007/05/questes-de-moral.html

-"Essa pergunta pode ser feita à Ministra da Educação? É que, relativamente a esta notícia da professora com leucemia que foi obrigada a trabalhar há 3 meses: http://www.cacia.pt/index.php?CA=Noticia&IDNoticia=40 essa professora, a minha colega Manuela Estanqueiro, foi hoje a enterrar às 15.30h no Cemitério de Cacia, em Aveiro. Estou REVOLTADO. Nem sabem o que me apetece fazer. Agora percebo porquê que às vezes lemos nos jornais casos de ajustes de contas a tiro. Por muito menos o fazem, por muito menos. Desculpem a crueldade mas, dizer menos que isto, era lutar contra um sentimento de justiça que me atormenta e é bem mais forte. Estou ENOJADO.ENOJADO!!!!!!!!!!!!!

Francisco"

4 de Junho de 2007 21:47




quarta-feira, junho 06, 2007

A cegonha já não é o que era












-Parece ter-se tornado uma nova moda esta coisa dos nascimentos em ambulância.
-Quase todos os dias há um, seja na ambulância dos Bombeiros Voluntários da Rebardeja, seja numa viatura do INEM.

-Torna-se interessante assistir a este novo epifenómeno de popularidade jornalística. Entrevista-se o pai babado, ali mesmo à mão do repórter de serviço, que já se esqueceu que podia ter perdido esposa e rebento. Questionam-se os voluntários de serviço que entendem de partos tanto quanto de microbiologia celular ou de fractais e é vê-los sorridentes por estarem na televisão a dizer como tudo correu bem. Elogia-se-lhes a bravata e a bravura de que hão-de falar no café e na corporação durante uma semana e termina-se a reportagem com uma frase bombástica: “Felizmente tudo correu bem e quer a mãe quer a criança estão de excelente saúde!”.
-É assim e é pena.
-Na realidade, no meio de tanta celebração e de tanto suspiro de alívio esquece-se quem é o verdadeiro responsável por esta dinâmica de natalidade terceiro-mundista. Quem fechou, ou mandou que fechassem maternidades e quem fez mais por estas noticias, com que a RTP nos brinda quase diariamente, mais do que quem qualquer outro rematado idiota.
-As crianças lá vão nascendo como podem e até agora ainda não ocorreu a desgraça. Mas e se ocorrer? Será noticia ou será apenas um acidente de percurso como muitos outros, resumido a um relatório numa pasta de arquivo algures numa qualquer Direcção Regional de Saúde?
-E o Sr. Ministro? Com certeza continuará a dormir na angélica paz dos ineficazes mas economicistas. Na mesma paz dos que recorrem apenas a serviços de saúde privados.

-E nós? Continuaremos a sorrir sempre que virmos um pai babádo e um bombeiro elogiado?

-Com certeza e respiraremos comovidamente fundo ao ouvir: “Felizmente tudo correu bem e quer a mãe quer a criança estão de excelente saúde!”.

terça-feira, junho 05, 2007

Entrevista IN-Provavel













-Qual a coisa mais baixa que já fez?
-Apertar os atacadores.
-Qual o seu estado civil
-Sou sargento, logo: militar.
-É uma pessoa indecisa?
-Antes era, agora tenho a certeza que sou!
-Prefere a televisão ou um livro?
-Se tiver figurinhas prefiro o livro.
-Qual o livro de que mais gostou?
-Nunca encontrei nenhum que não tivesse um acentuado sabor a papel.
-Tem algum passatempo?
-Sim, adoro enigmas difíceis, quase impossíveis como por exemplo: sobreviver até ao fim de cada mês sem emigrar e também persigo arco-íris.
-Que pensa da nossa
Justiça?
-Não gosto de enlatados.
-Acompanha as questões de politica nacional?
-Apenas à guitarra.
-Conte-nos uma coisa estúpida que tenha feito.
-Bom, para além de ter nascido e de ter votado como votei, a semana passada perdi as chaves de casa e procurei-as no GOOGLE!

sexta-feira, junho 01, 2007

Semanário In-Provavel









E...

porque

não?