segunda-feira, novembro 20, 2006

3 Coisas de que gosto

Canela A canela é a especiaria obtida da parte interna da casca do tronco de uma pequena árvore com aproximadamente 10-15 m de altura, pertencendo à família Lauraceae. É nativa do Sri Lanka, no sul da Ásia.

-Conhecida desde a antiguidade e foi tão valorizada que era considerada um item a ser presenteado a monarcas e outros dignitários.
-No início do século XVI era trazida por comerciantes portugueses directamente do Ceilão (actual Sri Lanka, no sul da Ásia), chegando um quilo a valer dez gramas de ouro.
-Estudos da Associação de Medicamentos dos Estados Unidos (USDA) indicam que o uso de canela na quantidade de uma colher de chá diariamente reduz significantemente o açúcar no sangue e melhora a taxa de colesterol (LDL e triglicerídeos). Os efeitos, que podem ser conseguidos também ao utilizar canela em chás, beneficiam também diabéticos. Não se sabe ao certo se o consumo de canela é eficaz no combate à hipertensão arterial, mas é apontada como capaz de eliminar algumas bactérias nocivas do organismo e de diminuir a fadiga muscular.

-Tomada em doses excessivas pode ser tóxica, tal e qual como tudo na vida.
-Apesar de tudo isto, eu gosto dela no excelente arroz-doce, na magnífica aletria, no fantástico leite-creme, no saboroso café e no delicioso pastel de nata.



Flor de Sal – Já foi uma preciosidade cobiçada por chefs de cozinha e gourmets dos quatro cantos do mundo e até lhe chamaram “ouro branco”, mas hoje está mais democratizada e acessível.
-Portugal é um dos produtores de prestígio. As peças, isto é, os reservatórios de água do mar que compõem as salinas, localizam-se na costa atlântica e no Algarve. São necessários aproximadamente 80 quilos de sal marinho bruto para produzir 1 quilo dos caríssimos cristais de flor do sal, que chegam a custar quatro vezes mais que o sal marinho. Antes de secar completamente ao sol, a flor do sal apresenta uma coloração rosada, consequência do material, normalmente o barro, com que são construídos os tanques para abrigar a água salgada. O movimento desse líquido nas salinas ocorre em virtude da gravidade. À medida que secam, os cristais da flor do sal vão ganhando a brancura que lhes é característica. Sem sofrer qualquer tipo de processamento, são embalados directamente depois da colecta. Fonte natural de potássio, cálcio, cobre, zinco, magnésio – elemento que não está presente no sal marinho industrializado.

-Tudo isto é verdade, mas o sabor a mar, sol e vento, que confere a toda a comida em que é empregue, é algo tão suave e indescritível que vale realmente a pena.



Romã A Romã (Punica granatum L.; Lythraceae) é um fruto. Possui propriedades úteis no combate a doenças cardíacas e envelhecimento dada a sua abundância em elementos anti-oxidantes.
-Também é considerada como símbolo da prosperidade e da riqueza, e é uma das plantas com que na tradição judaico-cristã, Deus abençoou a Terra Santa.

-Considera-se também o fruto que simboliza o Amor.
-Gosto do sabor doce e delicado, da cor, da textura dos grãos semi-transparentes e do generoso sumo. Não gosto de a descascar, mas descasco.

1 comentário:

Arion disse...

Adoro romãs! Mas dão tanto trabalho...