terça-feira, dezembro 01, 2009

Paciência. Há que ter paciência!

paciência in-provavel

Ando ultimamente sem paciência para nada, estou parado também sem paciência para coisa alguma e menos ainda para Natais e feriados de calendário.

Para o meu médico não sou paciente em nada. Nas cartas não tenho paciência para paciências e apetece mandar toda a gente para o baralho.

Noto que perco a paciência muitas vezes por pouca coisa, impaciento-me a procurá-la nos locais por onde passei e não a encontro nunca perdendo-me e perdendo ainda mais a paciência que procuro.

Estou farto, saturado, cansado, exausto, sêco de ter paciência e de que nada mude. Estafado, exaurido, esgotado,esfalfado, de que a paciência me falte e de que me façam perder a paciência.

Começo a estar nas lonas, a estar-me nas tintas, nas tontas e às tantas borrifo-me, marimbo-me e tanto se me dá como se me deu quando o caldo se entorna nestes jantares requentados que nos servem e que não mudam nada.

A minha paciência tem limites: 50Km/h nas localidades e fora delas fico fora de mim ainda mais depressa.

1 comentário:

TERESA SANTOS disse...

Terás paciência para ler este comentário?
A vida não está fácil, mas, valha-nos os anjos, arcanjos e toda a corte celestial, é que temos MESMO que ter MUITA paciência.
Estou contigo, com a paciência à beira do fim.
Abraço.