terça-feira, maio 30, 2006

FUTEBOL E AMOR (Reedição Acrescentada)

























-
O Primeiro texto é uma reedição de um aqui colocado a 15/10 de 2006; O segundo é de um amigo que se assina Yur Adelev.
Achei que ambos se completariam.

O mundo é redondo e o futebol é a maior prova disso.

-O futebol é uma repetição de todos os reflexos sociais. Tem regras, restrições, perícias, penalidades, artigos, relevância e impertinência. Mas sobretudo tem o acaso. Tem superstição, religião e paixão…muita paixão. Tem corpo e por tudo isto tem alma.

-O futebol é violento como a vida e tem abusos como ela. Duro como a existência e sóbrio como a maior das bebedeiras.

-É diferente nas semelhanças com a religião e semelhante a ela nas diferenças. Ou se crê ou não, ou se ama ou se odeia; Tudo o resto são excepções raras e tudo é permitido em simultâneo. Nele as crises de fé são rápidas, duram o espaço de uma jornada ou o “defeso” de uma época.

-Ao contrário do que se diz por aí, não se joga pensando, joga-se apenas com a alma e com o corpo todo ainda que não seja permitido, depois pensa-se. Isto é: primeiro chuta-se como e quando se pode na altura e à posteriori explica-se o que se fez, se pode explicar ou inventam-se razões ou então não se explica sequer.

-O futebol não é bonito, é lindo se se gosta dele e se a equipa ganha ou trágico se a equipa perde. Arranca euforias e horrores durante o mesmo minuto. Mata-se por ele (tristemente) e morre-se por ele mas sobretudo sofre-se por ele. É catártico e sublime ou aberrante e desprezível.

-Ninguém gosta de futebol apenas. Futebol não se conversa, discute-se. Escreve-se, descreve-se, analisa-se, vê-se e revê-se vezes sem fim em todos os ângulos inversos e reversos e nunca se apura nada.

-Não é desporto, é tudo para quem tem pouco ou nada e algo mais para quem já tem tudo.

-É belo ouvir de alguém que o detesta e não o entende por opção própria, que deseja que a nossa equipa vença, apenas por nós.

-È uma bela declaração de amor.


Rui

Se fosse eu o seleccionador fazia de ti a minha selecção.
Jogaríamos em todos os campos 9000 minutos regulamentares,
sem outra falta que não fosse a que me fazes
e haveriam prolongamentos dos dias mais felizes.
Só tu e eu num estádio cheio de alma,
correríamos de mão dada atrás da bola que é o mundo,
e os bons encontros durariam para sempre.
Os cartões, teriam todas as côres
e neles, desenhos de gerbéras e outras flores de que gostes.
A relva teria grilos, que cantariam de noite e de dia,
e as únicas fintas seriam aquelas que a vida nos faria.
Nas balizas, as redes estariam penduradas entre os postes,
para que descansássemos nelas das quedas dos dias maus.
Á noite, dos holofotes do estádio brilharia a lua cheia.
E o público, calado, aplaudiria a vitória alheia.


Yur Adelev

1 comentário:

Luisa disse...

Com estes belos textos quase que fiquei a gostar também de futebol...O ténis, por exemplo, não suscita estas emoções? Ou uma maratona? Mistérios do desporto...