terça-feira, outubro 31, 2006

Estou a ficar cego









-Pode muito bem ser isso: estou a ficar cego ou estou em estado permanente de bebedeira. Bem sei, sempre me avisaram que não devia ler tanto. Sempre tive esta mania de ler, os livros infantis, as histórias em quadradinhos, a literatura juvenil, os livros recomendados do ensino, os necessários e todos os que apanhava por perto e me despertavam interesse. Tudo isto, muitas vezes em más condições de luminosidade, com tipos de letra pequenos e sem outro cuidado com os olhos que não fosse uma ou outra gota de colírio pela manha. Depois veio o uso do PC e a coisa deve ter piorado. Agora quase sempre vejo coisas a dobrar, vejo mal ou não vejo sequer.

-Vejo muitas vezes filas de estacionamento duplas e não pode com certeza ser. Vejo pensões de reforma, tão mal, tão pequeninas que mal as enxergo e outras enormes, a dobrar. Vejo Cahora Bassa a ser dada a Moçambique ao preço da uva mijona depois de paga por Portugal. Sei que isto dobrará, porque acabaremos por perdoar mais essa divida também, pois representa o triplo das exportações anuais de Moçambique. Vejo SCUTS a deixarem de o ser, pagas a dobrar, já que pagamos um imposto automóvel que é quase o dobro do dos outros países europeus. Até já vejo coisas mais estranhas, como estudos feitos pela empresa de um secretário de estado para o ministério que é o seu, e por atribuição directa. Vejo o preço da electricidade dobrar a taxa de inflação. Vi e ouvi ministros durante uma semana dobrarem o limite de estupidez que é permitido a qualquer humano, dobrando em igual medida a arrogância e o desprezo pelos cidadãos. Vejo um segundo referendo, que se não tiver a capacidade de mudar algo, terá tido o dom de nos cegar temporariamente para que não vejamos a continuação dos disparates. Vejo dobrar a estupidez no futebol e a impunidade dos dirigentes. Por outro lado não sou capaz de ver que cheguemos deste modo a lugar algum.

-Dias atrás, consultei um amigo que é um competente oftalmologista; depois de muitos exames garantiu-me que nada de anormal se passa com a minha visão e que nem sequer necessito de óculos. Então como posso eu continuar a ver tanto absurdo e tanta asneira dobrada e impune?

2 comentários:

Calca-mares disse...

Por termos o país que temos?...

Ana disse...

Às vezes passamos por "ceguetas" para não termos de ver certas coisas. *