sábado, janeiro 16, 2010

Manuel Alegre candidato, Contos de Fadas e Polìtica Nacional.

Manyel Alegre candidato In-Provavel e contos de fadas


As histórias da nossa política são iguais aos contos de fadas que são todos iguais entre si.

Na nossa politica existem Califas tiranetes, com Vizires que desejam ser Califas no lugar dos Califas. Rainhas más que consultam e tentam dominar espelhos mágicos que pronunciam verdades que muitas vezes constroem eles próprios. Falo da nossa imprensa, sempre hesitante entre a “notícia sensação”, o bajular do poder, e o reflectir acerca das realidades nacionais.

Existem anõezinhos guindados ao poder funcionando em lobby de anõezinhos que parecem gigantes no topo dos pés de feijão das empresas e organismos públicos ou nas direcções de bancos, ainda que privados.

Há a galinha dos ovos de ouro que todos os dias é morta pelo lucro fácil, pela promoção duvidosa, pela reforma antecipada e choruda, pelo cargo de direcção imerecido.

Há as princesécas ou Moiras encantadas, encerradas no alto de torres de cristal televisivo de onde debitam os seus comentários políticos, sem contraditório ou com ele e de onde nunca saem para provar que saber comentar é o mesmo que saber fazer.

Há o Rei que do seu palácio se dirige ao Povo de quando em vez e que escolhe mal os conselheiros.

Há soldadinhos de chumbo (já não no serviço militar obrigatório mas ainda assim de chumbo) a prestar serviço em países distantes e que aqui pouco ou nada fazem de realmente útil.

Temos sapos que se transformam em príncipes encantados ou patinhos feios que se tornam cisnes temporários mas que pouco depois retornam ao seu estado inicial e desaparecem em exílios dourados, sem fama mas com fortuna ou com cargos em organismos internacionais.

Há lobos maus, sempre a soprarem contra tudo. Lobos a que todos conhecem os côvís, a existência, os actos e o paradeiro mas que os caçadores não conseguem apanhar em investigação alguma; nem com apitos mágicos e doirados, nem com casas pias que nunca foram feitas de outro chocolate que não fosse o mais amargo.

Temos a nossa Rainha-mãe de bochechas proeminentes e que não sabe que já não reina mas que nunca se cala a propósito de tudo e de nada; Que se arrasta adormecendo nas ocasiões solenes e que tem apenas Só-ares de saber o que diz.

Não nos faltam sequer os bobos da corte que todos os dias aparecem travestidos de figura pública das artes e do entretenimento em capas de revistas e em shows onde dançam, cantam e (imagine-se) até falam de política num círculo viciado em que todos se entrevistam e se elogiam a todos.

E temos Manuel Alegre.

Indeciso, como sempre, entre qual o papel que pretende representar neste conto de F_das!

Já quis ser Califa no lugar do Califa; Já foi Príncipe herdeiro deserdado pela rainha-mãe. Já foi Édipo a querer matar o pai. Já foi Caím que mata Abel e Abel politicamente assassinado por Caím.

Ora se apresenta como Raposinha Matreira, ora como Cavaleiro Branco, paladino dos fracos a quem esquece logo que volta a ser a raposa. Já foi Urso urrante, a gritar que a sí ninguém o cala. Mas calou-se sempre que assumiu o papel de pretendente a Rei.

Já foi o Soldadinho de Chumbo na reserva intelectual; o Mago da Corte das letras; o Conspirador da Corte; o Herói Breve; o Grande General retirado em exílio doirado de onde haveria de sair em dia de nevoeiro.

Já foi a Bela Adormecida que acordaria apenas com um beijo do Povo que nunca o beijou e acordou sozinho do outro lado do espelho da Alice, mas longe do País das Maravilhas.

Já pregou no deserto e ainda prega.

Actualmente é uma Cinderela a querer impôr-se à Fada Madrinha e rodear-se de Ratinhos que hão-de ajudá-lo a tentar vingar-se da madrasta e das irmãs que o rejeitaram nas eleições anteriores.

6 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Gosto muito de ver os teus cartoons etc... mas este texto é simplesmente qualquer coisa. DIvinal e muto bem (d)escrito. Entretanto, passa no meu canto. tens lá uma daquelas coisas que te vao parecer provocatórias mas este é um desfio de um amigo :) e personalizado.

UM abraço e passa por lá para lengar o gesto simbólico de amizade pelo ano do meu canto :)

Violeta disse...

Manuel Alegre só o poeta. O político não em convence.
Porém, ao pensar na continuidade de Cavaco Silva como presidente, o meu voto vai para o Manuel Alegre, esperando que a poesia que vai no seu coração lhe dê alguma lucidez política

Laura disse...

Olá, e já agora, onde ir buscar os grandes Homens que fazem falta, sejam eles Poetas ou não? Na verdade, não sigo nenhuma linha Politica, porque a vida me ensinou que nos dão gato por lebre! E de que maneira... Mas, mas, e mas... onde desencantar alguém que tenha tanto de guerreiro como de coraçãO? Porque o Povo apenas precisa de; Trabalho
Paz e Pão, a educação vai-se fazendo ao crescer de cada um, porque antes não eramos estudiosos e havia gente briosa,diligente... Mas o ouro subiu-lhs à cabeça e a ganância tomou conta deles!...
bOM FUTURO PARA SI, PARA MIM, PARA OS NOSSOS...PARA TODOS... Um abraço da laura,
e quem os manda votar em quem nem devem, mesmo depois de tanta promessa! Santa ignorância, mesmo com as provas à frente dos olhos!

Antipatiko disse...

Fantástico....Parabéns pelos textos, pelas imagens, pelo blog.

Austeriana disse...

Vai uma aposta em como o PS o vai apoiar?

* Há um certificado para este blogue no «B-c». :)))

Isabel Maguiar disse...

Devolvo-lhe a gentileza da visita e também prometo voltar, uma vez que gosto do seu blogue inteligente e bem humorado.
Obrigada por enriquecer a blogosfera com a sua visão.