domingo, fevereiro 04, 2007

FUMO















-Confesso que embora fume bastante pouco, sou um fumador militante, assíduo e inveterado. Confesso também que tenho um prazer enorme em fumar.
-No entanto, sempre que vou ao médico e ele me pergunta se ainda fumo, já sei que a seguir vou ficar com menos cigarros e ouvir: “Dá-me lá então fumar um desses teus cigarros malcheirosos que já há muito que não fumo um desses”.

-Apesar disso, este fim-de-semana veio parar-me às mãos um livro intitulado: “Como deixar de fumar de um dia para o outro”. De início achei o título idiota; seria simples apagar um cigarro ás 23 e 59 e acender outro logo depois da meia-noite. Apesar de tudo, lá me decidi a abri-lo e dar uma vista de olhos.

-Rezava assim:

Ponto 1 – “Escolha uma data festiva importante, para deixar de fumar.”
-Até aqui eu tencionava deixar de fumar hoje mesmo, mas hoje é apenas Domingo e não se festeja nada que não seja o facto de ser Domingo. Ao procurar no calendário reparei que além do dia de S. Valentim e do Carnaval, a que não dou importância alguma, teria que esperar pela Páscoa.

Ponto 2 – “Desfaça-se de tudo o que lhe recorde o tabaco.”
-Estaria bem se fossem apenas os isqueiros, ainda que fosse a estimada colecção de “ZIPPOS”, os cinzeiros, ainda que todos os que “arrepiei” de hotéis, bares, companhias aéreas, museus e outros mil sítios por onde fui passando; Mas que fazer quanto aos casacos com queimadura de charuto? Os livros com partículas de cinza de cigarrilha entre as páginas? A televisão? Os CD’s? A cama? O quarto? Os copos? A mobília? Os amigos? Até o Fidel Castro, que passa a vida a aparecer, me recorda o tabaco.

Ponto 3 – “Evite o contacto com fumadores.”
-Pois…, então mudo-me para o deserto e mesmo assim tenho que estar atento ao beduínos ou então passo a viver com os meninos do Côro do Colégio de St.ª Engrácia, em regime de internato absoluto.

Ponto 4 – “Procure substitutos para o tabaco.”
-Boa, com esta idade e depois de ter sempre tentado evita-los, vou juntar ao álcool a marijuana, o ópio, a coca, a LSD, o “crack” e quem sabe as batatas fritas de pacote e ministro da saúde para me arruinarem o que dela me resta. Será que por outro lado querem que comece a trazer pendurado nos lábios, em vez do cigarro uma esferográfica “Rotring”?
-Ainda pensei nos cigarros de chocolate que se vendem nas pastelarias por aí, mas mudei de ideias quando me imaginei a tentar acender o primeiro, distaridamente, na chama de uma vela e a sujar-me todo, além de me engasgar até ás lágrimas.

Ponto 5 – “Beba muita água.”
-Que pode uma coisa ter a ver com outra? A ideia é deixar de fumar e não passar a vida a ir à casa de banho. Além disso, com o proibicionismo tabágico que por aí anda, seria como entrar numa nuvem de fumo de tabaco de cada vez que procurasse alívio. Será que é para ajudar a esquecer o hábito de ter algo na mão, substituindo o cigarro por…, por outra coisa?

-Começo a ter dúvidas acerca desta metodologia!

-Fecho o livro. Acendo um cigarro que me sabe pela vida e me faz, ainda que por pouco tempo, esquecer algumas das agruras dela!

3 comentários:

Arion disse...

Fez no dia 27 de Outubro 3 anos que deixei de fumar. Decidi que ia deixar e pronto! Mas eu já me sentia mal com o cigarro...

Marcos da Vida disse...

Que saudades do prazer de pegar no cigarro, acendê-lo e sentir a primeira passa!

Mónica disse...

não li o livro mais foi quase assim que deixei de fumar. só falta acrescentar que resolvi ir pela primeira vez a uma ginasio comprei sapatilhas e umas calças (garantiram-me q na minha idade devia fazer exercicio pelo menos uma vez na vida) e ao fim da primeira aula decidi: o cigarro ou a minha elegância para os enganar mais uns anos?