terça-feira, agosto 15, 2006

NADA










-Sempre fora um daqueles crentes com uma fé inquebrantável e praticante fiel da religião que por uma ou outra razão naquele momento praticava. Actualmente, vai à missa dominical sempre que tem um problema para resolver e quando quer ser visto pelas pessoas a quem pretende impressionar com a sua religiosidade.
-Se Deus não lhe resolver um problema, seja por ter coisas mais importantes, por ser Agosto ou apenas por não querer resolvê-lo, insulta-O, põe em causa a sua bondade e existência, renega-O e corre a uma casa de artigos exotéricos a comprar um amuleto. Como já antes lhe acontecera, o amuleto não funciona e a dona da casa de artigos exotéricos remenda-lhe um “bruxo fantástico”, que o manda comprar quilos de ervas estranhas e lhe cobra uma fortuna. Banha-se no chá dessas ervas, cheira mal duas semanas e em desespero de causa corre a comprar um revolver para se suicidar. Mas, seja por lhe faltar a coragem para premir o gatilho, ou por ter reflectido que o suicídio é um pecado, corre à igreja mais próxima, onde ajoelhado e contrito, bate no peito e pede perdão. Já em paz consigo e com Deus, sai da igreja com as ideias mais ordenadas. Pelo caminho, usa o seu telemóvel (de ultima geração e modelo), liga ao seu advogado para que resolva o problema que o atormenta, que para isso lhe paga; Toma dois whisky's e volta a estar em paz consigo.
“Graças a Deus!”


Rui

1 comentário:

Luisa disse...

Essa espécie de religião faz lembrar a dos povos ditos primitivos. Pede-se a um deus que nos resolva os problemas, quer seja para vir sol, quer para vir chuva. Afinal parece que esse senhor lá vai resolvendo tudo com o dinheiro!