quarta-feira, setembro 27, 2006

Blogs S.A.












-Nos blogs, não em todos mas numa generalidade deles, uma primeira leitura impressiona. Por vezes é como se estivesse, sorrateira e maldosamente, a ler o diário da irmã adolescente que nunca tive. A grande diferença é que aqui não existem as pratinhas de chocolates, os bilhetes de cinema nem os bilhetes românticos trocados à socapa nas aulas de português. São pessoas que não conheço a abrirem as portas de uma presumível real intimidade, a pessoas que as conhecem tão pouco quanto eu as conheço…
-Pessoalmente, só muito ao de leve, me perpassam esse género de desabafos que sendo do foro mais íntimo, é por lá que se devem na grande maioria dos casos, manter e saber situar. Evito fazer de um Blog um diário íntimo destinado à mais pura das devassas, e nem tão pouco um jornal generalista ou temático. Escrevo apenas nele, aquilo que me vai na ideia numa ou outra ocasião, sem compromissos de regularidade, tema ou estilo. Não procuro torná-lo num ponto de encontro, ou de debate de ideias, mas apenas um local onde quem gostar de ler (de me ler), me leia; Sem entrelinhas, sem intenções recônditas, e sem compromissos. Recuso a criação e manutenção de polémicas que garantem visitas numerosas e não desejo teorizar nada em detalhe até ao aborrecimento. Procuro muitas vezes tratar seriamente questões cuja seriedade me causa serias dúvidas, e outras vezes procuro no sarcasmo a explicação para temas sérios que me são caros. É aliás no sarcasmo que melhor me revejo quando emito opiniões, o elogio é raro em mim, especialmente porque o mundo está cheio de bajuladores e lambe-botas inúteis; O que vale, vale por si só e não necessita de elogio mas apenas de apoio e de continuidade. É esse o caso de muitos e excelentes Blogs que visito e leio com muito gosto.

-Nos dias que passam em que a leitura é um passatempo de poucos e uma necessidade de muito poucos, os blogs ocupam um espaço importante. Ocupam ou deveriam ocupar, porque por aí existem também blogs, onde apenas se faz a ocupação de espaço com banalidades, pornografia escrita e dislate pseudo-politico, mas tem o seu lugar e ainda bem. Já me disseram que ler Paulo Coelho é melhor do que não ler nada, discordo por razões óbvias, tal como discordo de que comer cogumelos venenosos é melhor do que não comer ou que ver o “Fiel ou infiel” é melhor do que não ver televisão.

4 comentários:

Luisa disse...

É tudo isso que faz do teu blog um lugar onde apetece entrar e estar.

Calca disse...

"Mai" nada! Concordo com a Luísa! E se passo por aqui é apenas e só porque gosto da forma como escreves! Continua!

pedro oliveira disse...

«O que vale, vale por si só e não necessita de elogio»

Concordo e «desconcordo», Rui.
Os elogios podem ser péssimos e sem conteúdo (não gosto dos comentários: passei para deixar um beijinho). Podem,também, encher-nos de orgulho: «É tudo isso que faz do teu blog um lugar onde apetece entrar e estar» não no sentido do: «é pá sou "muita" bom» mas atribuindo sentido ao que fazemos e escrevemos.
Concordo com muito daquilo que dizes neste «post», as intimidades (algumas intimidades) não me preocupam nada.
No meu «blog» exponho-me porque acho importante para quem lê saber quem é o gajo que escreve estas coisas, por outro lado funciona quase como uma terapia, porque tenho eu esta opinião sobre determinado assunto, haverá no passado algo que a determine?
Continua a tua escrita «in-provável», provavelmente, continuará a ter qualidade.

reticências... disse...

Seguindo o teu raciocínio:
- ler blogues também será sempre melhor do que não ler nada?
- manter redes de amigos virtuais e imaginários é necessariamente melhor do que não manter relacionamentos?
- usar a internet apenas com estes fins é melhor do que ser info-excluído? (para usar um termo muito em voga)

E em relação ao exemplo do lixo, digo, programa televisivo que falaste, exceptuando um ou dois programas, não ver televisão é das ideias mais saudáveis que se podem ter.