sábado, junho 23, 2007

Do Portugal Profundo










Do Portugal Pró-Fundo

-José Sócrates tem todo o direito de se sentir ofendido se alguém atentar contra o seu bom (?) nome a sua personalidade (?) ou honra (?).
-Também nós todos, enquanto cidadãos, temos o direito de nos questionarmos acerca das magníficas trapalhadas em que aparece a sua licenciatura (?), o seu envolvimento com o professor que afirmou (mentindo) que não conhecia e todas as tropelias miseráveis de que temos vindo a ser vitimas.
-Foi exactamente isso que fez o cidadão António Balbino Caldeira no seu BLOG “Portugal Profundo”, exercendo o seu direito de opinião. Tal facto parece ter-lhe custado uma queixa-crime (aparentemente não confirmada) por parte do tiranóte de serviço ao (des) governo da nação. Se a ofensa realmente existisse, poderia e deveria ter sido a verdade explicada na celebre entrevista televisiva que não convenceu ninguém e onde para lá de não ter esclarecido nada, tudo me leva a pensar que voltou a mentir. Já várias vezes disse que não se me dá se o cidadão José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa nascido em Vilar de Maçada a 6 de Setembro de 1957 é ou deixa de ser engenheiro e volto a afirma-lo. O que não admito é que o Primeiro Ministro do meu país, impune e silenciosamente, possa ter usado meios, no mínimo censuráveis, para obter uma licenciatura. Do mesmo modo, não admito que falte à palavra dada em campanha eleitoral ou que se comporte como se fosse dono de um país.
-Com relação ao “Portugal Profundo” e ao seu autor, aquilo que sempre fez foi divulgar factos referenciando-os e extraindo deles, legitimas e mais que razoáveis dúvidas no exercício da sua liberdade de opinião e expressão.--Como se não bastassem as tentativas comprovadas de manipulação de órgãos de informação, J. Sócrates parece agora apostado em passar por virgem violada e ofendida quando o que deveria ter feito era ter-se explicado com humildade sincera quando o pode fazer.
-Todos já sabíamos que o “bufismo”, “o caciquismo”e o “lambe-pésismo” estavam de volta. Agora podemos comprovar que é regressado o delito de opinião.
-Fiquemos à espera. Talvez o lápis azul tenha de novo a sua oportunidade, quem sabe, agora sob o disfarce legalista de lápis cor-de-rosa.

-Quanto a mim, se quiserem, que me mordam ou em alternativa que me instaurem uma queixa-crime.

Visite aqui a notícia "José Sócrates apresentou queixa-crime contra bloguer" (20/06/2007)

Visite aqui a notícia "Balbino Caldeira arguido no caso da licenciatura de Sócrates" (16/06/2007)

Visite aqui o blogue "Do Portugal Profundo"

1 comentário:

Zé Tomes disse...

Bom dia

Resolvi criar uma petição que insurge contra a abusiva e anti-constitucional postura do nosso órgão soberano 1º Ministro José Sócrates, sobre António Balbino Caldeira quando lhe move um processo por difamação.

Ao estar a processar por difamação um cidadão, o órgão soberano está a infringir o artigo 3º dos direitos constitucionais, em que o Estado está subordinado a estruturar-se pelos artigos da Constituição da República Portuguesa.

Mover-se um processo que riposta a uma difamação, antes, dever-se-ia tê-la fundamentado como difamação - ou seja, não verdadeira perante um facto polémico.Portanto, mover-se um processo apregoado difamatória certa expressão, já de si é um abuso de poder porque em si o que é liberdade de expreesão nem sequer foi provado como difamação (ainda que a própria difamação seja já em si uma forma de expressão, o caso difere de órgão soberano para cidadão)

Mesmo sendo verdadeira, pelo 37º artigo da Constituição, a Liberdade de expressão e informação é um direito que não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura. Portanto se cabe ao Estado (estruturação do Governo) subordinar-se às directivas da Constituição, um órgão soberano não pode mover um processo judicial sobre o direito do cidadão de se expressar ainda que esteja a ser polémico. Fazê-lo é não estar em consonância com a estrutura da nossa Constituição da República.


Deixo-lhe o endereço caso queira divulgá-la

http://www.petitiononline.com/tasfasta/petition.html

abraço

--
José Pedro Gomes