segunda-feira, janeiro 08, 2007

Modernidade












-Ainda sou do tempo em que as insígnias eram insígnias ou alfinetes e não “pins”; Ginástica não se chamava “workout” nem “body-fitnesse não se praticava num “gim”. As audições não eram “castings”; os cartazes não eram “posters”. As pichagens não eram “graffiti” nem “tags”.
-Sem duvida que o país agora está mais moderno. Já se não lêem bandas desenhadas, mas “comics”. Já nas obras se não tira o almoço da lancheira mas sim do “tupper-ware. Já ninguém sabe o que é barriga de porco fumada, agora é “bacon” o que se come. Já ninguém tem em sua casa um vestíbulo, agora é um “hall” o que distribui o espaço de um lar.

-Somos todos muito mais modernos, com o “timing” já não é necessário ter horários ou planeamento de tempo. As palavras soam melhor e mesmo sendo disparates chamam-se “sound bites” para que se não tornem inconvenientes ou “handicap’s”. Sem duvida que a modernidade está connosco e nós com ela. Não existe sentimento que resista a um bom “feeling” e não hesitamos entre pedir um “ticket”, um talão ou um bilhete.

-Vemos “compacts”, comemos “sandwiches” num “pub” em companhia dos amigos do “rappel”e do “raffting” enquanto combinamos um fim-de-semana de “camping” e depois limpamos as mãos a um “Kleenex”.
-Estamos também muito mais bonitos. Os homens encharcam a cara com “after shave” depois de usarem a “Philishave” no “WC”, logo de manhã, ainda apenas com os “boxers” ou “slips” vestidos. Depois, saímos para o “jogging” ou para o “footing” olhando nos jardins as “nannies” e as “baby-sitters”.
-Enquanto se conduz para o emprego (ou “Job” no caso de se ser um “boy”), é-se bombardeado com o “marketing” dos “out-doors” com “top-models” e o dos “Stands” de beira de estrada. Toma-se o “brunch” numa estação de serviço “self-service”, enquanto o carro aguarda no “parking”. Prosseguimos caminho ao som do ultimo “hit” de que fizemos “download” de um “top” na “net”. Nas empresas, os executivos são “yuppies” a tentar subir no “ranking” para se tornarem “managers”, ou quem sabe, serem eles o “boss” em lugar do “boss”. Sempre atrasados para “meetings” ou “brain storms” num constante esforço de “public-relations”, tal como aprenderam no mais recente “training”.
-Já ninguém toma aperitivos mas “cocktails”. A cerveja melhor é a “bitter” ou “lagger” para acompanhar o “rost-beef” com molho de “champignons” com “Youghurt light”.

-Dividimos o mundo em “O.K.” ou “soft” e “hard” ou “heavy”.
-Fazemos “zapping” entre “reality shows”, “spots”, “video clips”, “soaps” e “magazines” para aliviar o “stress” do dia.

-Depois carregamos no “off” e vamos dormir contentes com a nossa modernidade.

3 comentários:

Arion disse...

E, mesmo assim, não há quem os faça aprender inglês... ;)

Hobs disse...

Acho que a descrição está genial. :)

Alien David Sousa disse...

Bem visto rui. Over and out.
beijos