quinta-feira, novembro 10, 2005

Natal








E pronto ou se preferirem, “prontos”. Lá vem de novo o natal.

-Como sempre faz todos os anos inevitavelmente e sem apelo nem desagravo eis que vai chegando com a suavidade de uma manada de elefantes e o suave tropel de mil gnus desenfreados. A festa é sempre na mesma data, mas os preliminares, esses, qualquer ano começam no fim do verão.

-Já não será possível ligar a TV. sem ser invadido por vinte minutos de publicidade com córos de criancinhas de voz imaculada a cantarem hinos aos hipermercados; Sem dezenas de senhores obesos e potenciais candidatos a enfartes a divulgar com voz profunda a vantagem desta boneca, pista de automóveis ou dinossauro relativamente outras iguais em tudo excepto nos nomes. Imaginem o que será chegar da praia e tentar ver um telejornal com esse prelúdio.

-As ruas enchem-se de luzes e mais luzinhas num “mono-mental” exercício de desperdiçar energia e não há montra que se preze que se não encha de pedacinhos de esferovite, bolinhas coloridas, fitas brilhantes e outros objectos nauseantes de cores intensas cuja lógica nada tem que ver com o que realmente se celebra. Mas enfim… ! Circular torna-se impraticavel, e não se pode dar um passo sequer, sem ser agredido com um saco de compras por alguém “stressado” a correr de montra em montra.

-Não é possível tomar um café sem que o pacote de açúcar ou adoçante e o empregado que nunca vimos mais gordo, nos desejem um Feliz Natal, um próspero Ano Novo e outras banalidades sem interesse algum; E se não colocamos o troco, depois de dada a “gorjeta” na caixinha que feia e mal embrulhada estacionou em cima do balcão, somos olhados de soslaio.

-Interessante também, é observar o número de polícias, aos pares e trios a cada esquina das ruas, onde terão estado todo o resto do ano? Será que de Janeiro a final de Novembro os carteiristas e demais amigos do alheio fazem férias? Ou nesta altura do ano há ordens expressas do senhor ministro das polícias para arejar as fardas de Inverno?

-Mas, o pior de todos os enfados natalícios, é a "musiquinha" de Natal a ser debitada do alto dos candeeiros de rua, “roufenha” e repetitiva, hora após hora, dia após dia, a testar os limites da paciência dos que apenas desejam que a época passe. As mesmas músicas de sempre em mil versões, todas cheias de som de sinos, campaínhas e ho-ho-hos americanos que se nos entranham pelas orelhas e nos fazem cantarolá-las a todo o momento.

-Outro terror natalício, são os postais de boas festas; uma verdadeira tiranía que deixamos que nos imponham. Não vemos as pessoas desde o casamento daquele primo em 1982, não lhes ligamos nenhum mas enviamos pelo natal o rectangulozinho de cartão para que saibam que ajudámos uma qualquer instituição de caridade. Os que recebemos ficam umas semanas a ganhar pó, nunca os relemos e os votos que neles constam, são enjoativamente idênticos a todos os outros de sempre.

-O natal é-nos empurrado pelas goelas, olhos e ouvidos dentro sem compaixão, a todos os momentos e em todos os locais. Impingem-nos a obrigação de sorrir e ser “merdosamente” simpáticos, de apertar mãos e dar beijinhos, de trocar presentes, de desejar coisas boas e ter paciência para aturar tudo a todos.

Rui

2 comentários:

Pedro disse...

É verdade que o Natal é cada vez menos uma época de concórdia e de união... O comércio e o lucro empurram esta festa para um tempo completamente artificial, previsível e rotineiro. As crianças são quem mais perde.
Já agora, parabéns pelo blogue. Qualidade não lhe falta...

jade disse...

Nem sei o que será pior, aquelas pessoas que só vêm o natal como uma época de consumismo ou aqueles que insistem em ser bons nesta altura do ano e no resto..... não sei qual será a opinião das outras pessoas mas para mim isso não é bondade, é sinismo.