segunda-feira, maio 25, 2009

CASO ALEXANDRA






















Serão precisas palavras para descrever uma INJUSTIÇA GRITANTE?

Será necessário dizer o que quer que seja para descrever a CEGUEIRA da "justiça" nacional?

Já aqui disse que a Justiça deve ser cega para ser igualitária mas não pode ser Estúpida, Inoperante ou Desumana.

Por mim estou INDIGNADO, OFENDIDO, CHOCADO, ATÓNITO, TRISTE, PREOCUPADO mas não estou de modo algum Surpreendido com mais este disparate absoluto cometido pela nossa Injustiça travestida de Justiça.

Peço que procurem saber mais aqui: http://xaninhanossa.blogspot.com/

e que se manifestem aqui: http://www.peticao.com.pt/alexandra

6 comentários:

aquelabruxa disse...

não seiq ue caso é este, ams sei que só há justiça para os ricos, geralmente... vou averiguar este caso que tanto te entristeceu.

aquelabruxa disse...

já assinei. pelo que li, parace-me mais que óbvio com quem a menina deveria ficar, pelo menos por agora.

Henrique disse...

Abominável!

Anónimo disse...

Portugal,tem tantos casos de crianças portuguesas para serem adoptadas e esta família Pinheiro,só se interessa por uma criança que não é deste país!!!!Estranho....no mínimo!!!!!Parece-me que existem outros interesses!Tantas mulheres portuguêsas e mães,a precisarem de uma mão amiga,de um emprego,duma casa e canalizam estas preciosas ajudas para uma alcoólica russa!Pois,deixem a menina no país dela,que o estado russo sabe o que está a fazer!Já que podem....ajudem as mães portuguesas e as nossas crianças....pelo menos são do nosso país.

Anónimo disse...

Até parece que Portugal,não tem crianças a precisarrem de uma família.....por amor de Deus...já não posso ouvir falar da criança russa!!!O país dela,que lhe dê tudo a que tem direito....preocupem-se é com as nossas crianças,essas sim.....são portuguesas!!!!

Rui disse...

Caro Anónimo:
Quebro aqui uma regra que me impus: responder a comentários anónimos. Apenas porque parecem interessantes e de um algum modo compreensíveis os seus comentários.

No entanto há algumas coisas simples que tenho no meu modo de ser, de que não me esqueço nunca e de que não tenciono prescindir:
As crianças são crianças e não me interessa minimamente qual a sua nacionalidade;
Obviamente nem Eu nem quem quer que seja pode atender e auxiliar todos os casos de injustiça gritante que diariamente ocorrem neste e noutros países;
Esta é apenas uma causa de flagrante ERRO e consequência de toda uma série de erros do nosso sistema de "Justiça" que poderia com alguma sensibilidade e trabalho efectivo ter sido evitado.

Tudo resto me faz recordar a velha frase " Comes bife? E as crianças de África que não têm que comer?"

Se cada um de nós fizesse um pouco por cada criança que seja injustiçada ou maltratada depressa seriamos mais do que as causas em causa!

Por vezes reflectir muito é pior do que não reflectir e uma excelente justificação para nada fazer!

Culpas... não as assaco a ninguém excepto ao nosso sistema de "Justiça" à sua falta de oportunidade, à lentidão e ausência de capacidade, típica dos gabinetes de juízes e pomposos funcionários de serviço social.


Volto a afirmar... a criança não tem nacionalidade... as crianças são apenas crianças, do país das crianças do Estado das crianças... mas NÓS TEMOS Nacionalidade e Obrigação!

Um abraço também anónimo!