quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Haja saúde!














-Em qualquer tipo de teste, seja ele físico, médico ou outro, tento sempre obter o melhor resultado possível, de preferência ainda melhor do que o possível.

Ainda me recordo que em miúdo quando fiz um teste de visão, queria ver mais até do que aquilo que era possível ver. Esforcei-me imenso por ver até o que não existia. Talvez esperasse que o oftalmologista me dissesse algo como: “Rapaz… tens um super-poder de visão, tenho que mandar os teus testes para a NASA”. No entanto, quando me pedem a amostra de urina, aquilo que levo comigo no “frasquinho”, parece-me sempre pouco. Para que raio querem eles um frasco tão pequeno, quando eu tenho tanto para dar? Pelo contrário cada tubinho de sangue que me tiram, parecem-me litros dele, litros que eu produzi com trabalho e alimento, e que vou ter que repor e pagar de novo.

Li não sei onde que a ciência médica tem feito descobertas fantásticas e que progride a bom ritmo, no entanto uma das coisas que mais me agradou foi o anúncio de que o vinho ajuda a prevenir possíveis ataques cardíacos; Agora, sempre que saboreio um bom tinto do Dão, Douro Alentejo ou Estremadura sei que estou a contribuir para a minha saúde e não apenas a satisfazer a gula como até aqui fazia.

Toda a gente que ser sadia. Toda a gente quer estar em forma, mas para quê?

Hoje em dia, dizer que não se frequenta um ginásio é quase uma penosa confissão, é como se se fosse um ser de outro planeta ou como se se tivesse cometido um crime horrendo e tivesse orgulho nele. Mas francamente não me convencem. Não tenciono gastar o meu rico dinheirinho para alimentar as necessidades e vícios de gente que tem um ar mais saudável do que o meu. Para quê? Hoje em dia excepto na profissão de estivador ninguém necessita de levantar cargas pesadas; Se não se pretender correr a maratona para quê treinar a corrida de manhã? Quanto aos músculos, para que são precisos? Não tenciono espancar ninguém. Na nossa sociedade, o esforço físico quase não existe e quando existe é pago em mensalidades, jóia de inscrição, tempo e suor.

Rui

2 comentários:

Luisa disse...

Estás como o Churchil que nunca fez o mais pequeno desporto, fumava charuto, só andava quando absolutamente necessário e morreu perto dos noventa anos...
Falas em vinho da Estremadura. Já provaste o tunto da Quinta de Pancas, em Alenquer? É uma delícia e faz muito bem ao coração...

Luisa disse...

No vosso post de 10 de Fevereiro não consegui encontrar o espaço para comentar. Sou eu que não o vejo ou falta qualquer coisa? Era só para dizer que acho fascinante a figura descrita mas Deus me livre de viver com ela! Devia sentir-me tão pequenina!!!!