quinta-feira, março 04, 2010

Saudade

In-provavel - saudade

Saudade é uma das palavras mais presentes na poesia de amor da língua portuguesa e também na música popular, "saudade", só conhecida em galego-português, descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor. A palavra vem do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar".

Diz a lenda que foi cunhada na época dos Descobrimentos e no Brasil colónia esteve muito presente para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou acções. Provém do latim "solitáte", solidão.

In “Wikipedia”

Saudade é uma espécie de lembrança nostálgica, lembrança carinhosa de um bem especial que está ausente acompanhado de um desejo de revê-lo ou possui-lo.

Diz-se que é possível ter saudade de pessoas, locais, animais, objectos e (imagine-se) regimes políticos, políticos e governantes.

No entanto, na realidade, tudo aquilo de que temos saudade é do passado. Do que nele vivemos de bom, do que de positivo passámos, daqueles que tivemos e perdemos, do que fomos e não somos.

O resto são memórias que nos despertam a saudade e não a saudade propriamente dita que gera a cada passo um violento sentimento evocativo; triste; melancólico; subjectivo; de angústia, nostalgia e perda.

“A saudade é um sentimento do coração que vem da sensibilidade e não da razão” tem pouco a ver com ela e ainda assim…

É comunicável mas é intransmissível; é exclusivamente humana e aparece com a solidão em comum (a solidão no meio da multidão).

A saudade torna-nos ensimesmados e contemplativos; enche-nos de emoções contraditórias. Faz-nos contrapor o presente ao passado e acreditar que o passado vale mais do que o presente.

A saudade existe em quem não vive o presente em pleno, porque não quer ou não poder e tem desvios e contrastes que as crianças não possuem por não terem “passado”.

O saudosismo é sobretudo patente nas sociedades e nas pessoas que as formam em alturas de retrocesso, de crise de marasmo, de descrença e desesperança.

Portugal está saudosista e eu com ele.

2 comentários:

continuando assim... disse...

convite para seguir a história de Alice, lá no
--- continuando assim... ---

bj
bom fim de semana
teresa

Dri Viaro disse...

Oi!!

Passei pra conhecer seu blog, e desejar boa semana

bjs

aguardo sua visita :)