segunda-feira, dezembro 04, 2006

LOIRAS













-Alguns meses atrás li algures, que numa cidade brasileira havia sido instituído o “dia municipal de combate à descriminação das mulheres loiras”. Na altura aquilo pareceu-me mais um episódio de uma telenovela, ou algo destinado apenas a fazer correr tinta e buscar originalidade na vacuidade. No entanto ao pensar melhor, pareceu-me uma atitude interessante. Por fim que alguém teve a coragem de lutar contra essa terrível descriminação. As mulheres loiras também devem merecer todo o nosso respeito, porque não existe qualquer realidade ou fundamento, nas afirmações que se fazem acerca da sua inteligência, ou da apregoada falta dela. Pela minha parte, ainda acho que tudo não passa de um boato maldoso, quem sabe inventado por um namorado despeitado ou por uma morena invejosa.

-Nesta altura se alguém me ler, já deve estar a pensar: “Ora…, com certeza que tudo isto há-de terminar com uma frase do tipo: Se não entenderam eu repito e se forem loiras repito duas vezes”. Não, não é nada disso. Realmente, penso que existem já demasiadas descriminações e bastante sérias, para que deixemos esta crescer ainda mais. Existe por exemplo a descriminação contra o gordo, contra a mulher feia e no entanto, os gordos e as feias que por aí andam, sofrem tanto como as loiras ou mais ainda com este tratamento.
-Os gordos já sofrem o suficiente para entrar nos transportes, para encontrara roupas que lhes sirvam, sofrem pela sua saúde e sofrem sobretudo com as exigências que lhes fazem, muitas vezes de modo brutal e cínico, para que deixem de ser gordos.
-A mulher feia então sofre todo o tipo de dificuldades odiosas, apenas porque nós, em função de um julgamento subjectivo e preconceituoso que nos vincula a uma determinada imagem de beleza feminina, que nos é imposta, a agredimos sem sequer muitas vezes darmos por isso. Para quem preenche os requisitos mínimos para poder ser considerada feia pela sociedade, tudo é difícil: O emprego, a convivência social, a amizade, e até para conseguir marido, Aí então… vale quase tudo, desde a promessa ao Sº. António até à consulta da bruxa do bairro. -Como tal a descriminação contra o “gordo” e a”mulher feia” são bem piores do que a que se faz contra a “loira”. Esta, pode sempre mudar a cor de cabelo, enquanto que para deixar de ser gordo, gastam-se fortunas e milhares de horas de dieta e/ou ginásio; Tal como para deixar de se ser “feia” é exigido que se abdique dos traços com que se nasce; É necessária muita e dispendiosa cirurgia plástica. Tudo isto com a enorme carga de stress que acarreta esta nossa mania de descriminar com base em pouco ou nada.

-Há que desmentir a canção de Vinicius, “a beleza [não] é fundamental”, a beleza física pelo menos, a outra sim!

-E já agora…
-Vamos lá ver se nos entendemos: Truman Capote não era um toureiro!

-Francamente? Não sei porque postei isto...

1 comentário:

Arion disse...

E sacudia a água de si mesmo?